Arquivo mensal: agosto 2015

Python – Programação prática para verdadeiros iniciantes | Blog Seja Livre

http://sejalivre.org/python-programacao-pratica-para-verdadeiros-iniciantes/

Anúncios

A Internet das Coisas – Fundamentos de IoT – Microsoft Virtual Academy


11954808_845939908821363_9117432106249159530_n

Veja e atualize-se. Jaja esta com você em casa. E você nem percebeu.

https://www.microsoftvirtualacademy.com/pt-br/training-courses/a-internet-das-coisas-fundamentos-de-iot-12622

Use o Clutter (E-mail Secundário) para classificar as mensagens de baixa prioridade no Outlook

IMPORTANTE    Este artigo foi traduzido por um sistema de tradução automática, leia o aviso de isenção de responsabilidade. Para sua referência, veja a versão em inglês deste artigo aqui.

Resíduos ajuda a mover as mensagens de baixa prioridade longe da sua caixa de entrada de forma que você pode facilmente procurar mensagens importantes. Resíduos analisa seus e-mails e com base em seu comportamento passado, determina as mensagens que você está mais acostumado a ignorar. Em seguida, ele move essas mensagens para uma pasta chamada resíduos para que você possa revisá-los mais tarde.

Neste artigo

  1. Entrar no Outlook Web App. Para obter ajuda, consulte entrar no Outlook Web App.
  2. No canto superior esquerdo da página, selecione o ícone de  do lançador de aplicativo e clique em email.


  3. No canto superior direito da página, vá para configurações do  > Opções > correio > processamento automático > resíduos.
  4. Escolha itens separados identificados como resíduos, em seguida, Salvar .


    Você pode desativar resíduos a qualquer momento selecionando não separe itens identificados como resíduos.

    OBSERVAÇÃO   A pasta de resíduos permanece no Outlook após você desativar o recurso de resíduos. Se não desejar que a pasta listada em sua caixa de correio, mover os emails de resíduos para outras pastas, conforme apropriado e clique na pasta de resíduos e escolha Excluir pasta.

    Pasta de resíduos no Outlook e no Outlook Web App

    Depois que você ativar resíduos, inicia a análise de seus e-mails com base em seu comportamento e move as mensagens de baixa prioridade para uma pasta chamada desorganização em sua caixa de correio.

    Você pode exibir esta pasta no Outlook Web App e Outlook.

    Outlook Web App Outlook

    Ajude o Email secundário a aprender suas preferências com mais rapidez

    Pode levar algum tempo para que o Email secundário se adapte totalmente às suas preferências, uma vez que ele registra as suas escolhas e usa essas informações para identificar mensagens parecidas no futuro. Mas você pode ajudar o Email secundário a aprender as suas escolhas mais rápido:

  • Se você vir um e-mail de baixa prioridade em sua caixa de entrada, clique com botão direito a mensagem e escolha mover a desordem, ou arraste o e-mail da sua caixa de entrada e soltá-los na pasta de resíduos.

    Outlook Web App

    Outlook

  • Se você vir uma mensagem que foi enviada a desordem por engano, clique com botão direito a mensagem e escolha Ir para caixa de entrada, ou arrastar o email da pasta de resíduos e solte-o na sua caixa de entrada.

    Outlook Web App

    Outlook

  • OBSERVAÇÃO   Ao mover ou remover um email da Pasta de Email secundário usando qualquer dispositivo, basta sinalizar para o sistema desse recurso se determinado item é Email secundário ou não. Por exemplo, quando você move um email para a pasta de Email secundário no aplicativo da área de trabalho do Outlook ou no aplicativo Email em seu telefone, essa ação é registrada no sistema do Email secundário em todos os aplicativos de email. Você não precisa fazer esse procedimento individualmente para cada dispositivo.

    Como o Email secundário filtra as mensagens

    Resíduos e lixo eletrônico são ambos filtrados antes que elas atinjam a sua caixa de entrada. Lixo eletrônico é avaliado e filtrado primeiro e Outlook processa as regras (se você tiver configurado qualquer). Em seguida, desordem analisa as mensagens restantes e filtra os tipos de mensagens geralmente ignorar ou não responda, com base no seu comportamento anterior.

    Mensagens de certas pessoas nunca serão identificadas como email secundário:

  • Você
  • Qualquer pessoa da sua cadeia de gerenciamento
  • Seus relatórios diretos

    O Email secundário vê diversos aspectos das mensagens para entender o que você geralmente não lê, por exemplo:

  • O remetente
  • Se você participou da conversa
  • Se você é o único destinatário
  • A importância

    À medida que seus hábitos de leitura mudam, o Email secundário aprende e se adapta.

    Gerenciar pasta desorganização no Outlook 2016 para Windows

    Se você tiver o Outlook 2016 para Windows, você pode com o botão direito na pasta de resíduos e escolhaGerenciar resíduos.

    Você será direcionado para Outlook Web App para gerenciar as opções de resíduos.


    OBSERVAÇÃO   Aviso de Isenção de Tradução Automática: Este artigo foi traduzido por computador, sem intervenção humana. A Microsoft oferece essas traduções automáticas para ajudar as pessoas que não falam inglês a aproveitar os textos escritos sobre produtos, serviços e tecnologias da Microsoft. Como este artigo foi traduzido automaticamente, é possível que contenha erros de vocabulário, sintaxe ou gramática.

    Aplicável a: Outlook on the web for Office 365 Business, Office 365 End User, Outlook 2016 Preview, Outlook Web App for Office 365 Small Business, Office 365 Small Business Admin, Office 365 Admin, Outlook Web App for Office 365, Outlook 2013, Outlook Web App

    Fonte: https://support.office.com/pt-br/article/Use-o-Clutter-para-classificar-as-mensagens-de-baixa-prioridade-no-Outlook-7b50c5db-7704-4e55-8a1b-dfc7bf1eafa0#


Docker: Um linux container engine

docker

No cenário de constantes mudanças em ambientes web sempre surgem novas técnicas e ferramentas surpreendentes. Manter-se atualizado com todas as novidades que surgem diariamente é um grande desafio, mas bastante emocionante.

No meu trabalho, eu sou confrontado diariamente com diversas ferramentas novas interessantes, e preciso seguir o fluxo me mantendo alinhado com tudo que surge. Ultimamente o Docker é o novo buzz do mundo web. Todo mundo está falando sobre ele.

O Docker é em essência, um produto que poderia tornar a vida de um sysadmin muito mais fácil. Foi desenvolvido pela dotCloud (que agora se chama Docker) e está recebendo um monte de elogios , artigos, e centenas de projetos no Github hoje estão sendo baseados no Docker.

O que é o Docker?

Para entender melhor o que é o Docker, você precisa conhecer um pouco sobre como webapps ou sites normalmente são “deployados”. Os passos básicos para realizar o deploy de um webapp ou site são os seguintes:

  1. O desenvolvedor cria uma aplicação ou site com um número de versão (versão 1.0 por exemplo) e os pacotes desta aplicação em um set (conjunto) de arquivos;
  2. Um sysadmin pega estes arquivos e publica em um servidor com um serviço web (Apache, Nginx) e um banco de dados (o banco de dados algumas vezes pode estar em um servidor separado do servidor web);
  3. O sysadmin configura a aplicação para que ela possa ser disponibilizada pelo servidor web e configura a aplicação para que ela possa conversar com o banco de dados;
  4. O usuário pode então acessar a aplicação através do seu browser e ver o site/aplicação.

De modo geral, estas são as etapas envolvidas para disponibilizar uma aplicação na internet. Existem algumas grandes desvantagens no processo descrito acima. Embora pareça ser algo fácil e simples, muitas vezes não é. Entre a criação de um servidor web, banco de dados, etc, há muito tempo perdido na implementação e configuração destes serviços.

Além do fator tempo na criação e configuração de tudo isto, imagina o que acontece se o servidor apresenta alguma falha e você não tem um ambiente redundante? Você precisa configurar um novo servidor, refazer todas as configurações, testar, validar, etc. É neste ponto que o Docker pode facilitar a sua vida.

O Docker pode ser descrito como um container em um navio. Cada docker-container é um container que no caso mencionado acima, pode conter um ou vários dos seguintes serviços:

  • Um servidor web;
  • Um banco de dados;
  • Uma aplicação.

Como um Linux Container Engine, utiliza Linux Containers (lxc) ao invés de métodos de virtualização tradicionais. O lxc utiliza o mesmo kernel do servidor host, tornando tudo muito rápido.

Um container é um processo isolado através de namespaces + chroot. Por isso que fazer o “start” de um container é muito rápido (é tão rápido quanto iniciar um processo novo).

O fato de usar o o mesmo kernel do host, dá um bom ganho de performance. Porém ao criar um container novo, consiste em criar um novo “chroot” o que  exige muito i/o, podendo tornar o processo lento. Justamente neste ponto que está o grande lance do Docker. Ele é uma ferramenta para simplificar e dar mais poderes aos containers. Então ele traz o conceito de imagem, fazendo com que cada novo container seja um “diff” de outro container base.

Para facilitar o entendimento, pense em uma máquina virtual, porém menor, mais rápida e com tempo de startup/shutdown praticamente zero.

A grande vantagem é que você pode criar seu container uma vez e movê-lo praticamente para qualquer tipo de servidor (seja ele virtual ou um hardware dedicado). No caso de uma falha, você simplesmente configura um servidor com o Docker instalado e insere seu container nele. Em questão de minutos, você tem tudo funcionando novamente.

Entrando em detalhes:

O Docker utiliza Linux Containers (LXC), que rodam no mesmo sistema operacional do servidor host. Isto permite o uso compartilhado de diversos recursos do sistema operacional host. Ele também utiliza AuFS para o sistema de arquivos. Ele gerencia a rede para você também.

AuFS é um sistema de arquivos em camadas, então você pode ter uma parte destinada para leitura, outra parte para escrita, podendo ainda fazer um merge entre elas. Você ainda pode ter partes em comum do sistema operacional apenas para leitura, que podem ser compartilhadas entre todos os seus containers e em seguida dar a cada container seu próprio ponto de montagem de escrita.

Então vamos dizer que você tem uma imagem de container com tamanho de 1 GB. Se você quiser usar uma máquina virtual completa, você precisa ter 1GB vezes x número de VMs que você deseja. Com LXC e AuFS você pode compartilhar o volume de 1GB e se você tem 1000 containers você ainda pode ter apenas um pouco mais de 1 GB de espaço para o sistema operacional do container, assumindo que todos eles estão rodando a mesma imagem do sistema operacional.

Um sistema totalmente virtualizado recebe seu próprio conjunto de recursos alocados, e faz um compartilhamento mínimo de recursos. Você recebe um isolamento maior, mas é mais difícil (requer mais recursos).

Com LXC você pode ter menos isolamento, mas eles são mais leves e exigem menos recursos. Você poderia facilmente rodar 1000 containers em um host, e ele não vai nem sentir. Tente fazer isso com um Hypervisor qualquer, e a menos que você tenha um servidor (host) muito parrudo, seria impossível.

Um sistema completamente virtualizado, geralmente pode levar alguns minutos para inicializar, enquanto containers LXC leva segundos, sendo algumas vezes menos de um segundo.

Existem prós e contras em cada tipo de sistema de virtualização. Se você deseja total isolamento com recursos garantidos, então um sistema completamente virtualizado pode ser a melhor solução. Mas se você deseja apenas isolar processos entre sí e executar centenas deles em um servidor com um tamanho razoável, o LXC pode ser um caminho melhor à seguir

Para maiores informações sobre como LXC trabalha, acesse este link: http://blog.dotcloud.com/under-the-hood-linux-kernels-on-dotcloud-part

Fazer o deploy de um ambiente de produção consistente não é algo tão trivial de ser feito. Mesmo se você usar ferramentas como o chef ou puppet, sempre há atualizações do sistema operacional e outras coisas que variam entre hosts e ambientes.

O que o Docker faz é lhe dar a capacidade de criar um snapshot do sistema operacional em uma imagem, o que torna simples o deploy em outros hosts Docker. Em ambiente local, dev, qa, prod, etc, todos podem usar a mesma imagem. É claro que você pode fazer isso com outras ferramentas, mas não tão fácil ou rápido.

Open Source

Por ser um projeto opensource, significa que qualquer pessoa no mundo pode olhar o código, contribuir e implementar melhorias. A comunidade do Docker é muito grande e existem centenas de desenvolvedores contribuindo para o projeto.

Animado?

Se você está animado com o Docker e gostaria de aprender a usá-lo, visite o site:http://docker.io.

Existe uma vasta documentação, inclusive um tutorial interativo bastante interessante.

Aqui também tem uma excelente apresentação: http://www.slideshare.net/jpetazzo/introduction-docker-linux-containers-lxc

Fonte Principal
http://www.ricardomartins.com.br/docker-um-engine-linux-container/

Fontes:

https://www.docker.com/
http://www.ricardomartins.com.br/

https://www.youtube.com/watch?v=ZzQfxoMFH0U
http://dockerbook.com/
http://stefanteixeira.com.br/2015/03/17/comandos-essenciais-docker-monitoramento-containers/

Dica para não ser rastreado no Facebook.

Facebook: veja se você está sendo rastreado e saiba como acabar com isso

http://www.tecmundo.com.br/facebook/84827-facebook-veja-voce-sendo-rastreado-saiba-acabar.htm

Azure RemoteApp totalmente nuvem (Cloud Collection)

Olá pessoal

Este post eu vou repassar conhecimento sobre Azure RemotApp agora na versão totalmente Nuvem.

Já é uma realidade Desktop como Serviço aqui no Brasil e como Citrix XenRemoteApp, Vmware View, o próprio RemoteApp Onpremissess da Microsoft e agora o Azure RemoteApp

Na versão anterior eu postei a versão hibrida.

Veja link da versão hibrida https://fabiosilva.com.br/2015/06/10/passo-a-passo-para-integracao-do-active-directory-azure-com-ad-azure-office-365-e-active-directory-local-e-uso-do-remote-app-para-daas-com-cloud-hibrida

Algumas ressalvas ao site do Azure para versão hibrida a imagem demora de 2 a 4 horas para finalizar.

Pelo menos na época que criei demorou este tempo.

Na versão Cloud está dentro do que eles mencionaram de até 25 minutos.

 

O processo inicial é o mesmo detalhe para escolha da máquina já com serviço de RDS.

 

Aguarda o provisionamento (instalação) da maquina virtual.

 

Finalizado o provisionamento iremos acessar a máquina virtual para instalação da aplicação alvo.

 

Provisionamento finalizado.

 

Acessamos a máquina virtual para as instalações.

 

O Acesso a máquina virtual como explicado anteriormente temos que rodar o Sysprep, na primeira versão que eu instalei não tinha o atalho para rodar o sysprep, a nova versão da imagem já tem e facilita o administrador.

 

Rodando Sysprep, a máquina automaticamente será desligada.

OBS: muitos administradores se confundem e ligam novamente a maquina virtual. Não ligue se não terá que começar o processo de criação da imagem novamente.

 

Algumas falhas acontecem do item mencionado acima a imagem tem que sumir e ficar no seu portfólio de imagens e neste caso a máquina fica parada.

 

Veja que ela está apta para provisionar para RemoteApp.

 

Configure a máquina virtual para preparar para RemoteApp

Finalizada a preparação.

 

A Imagem sendo provisionada para ativação no RemoteApp.

 

Lembrando que demora 25 minutos no caso de Cloud Collection.

 

Importar do diretório de imagens para ativação

 

Imagem aparecendo estamos aptos a ativar no RemoteApp

 

Item provisionando

 

Item provisionado e apto.

 

Quando você for realizar a criação a imagem irá aparecer na lista do RemoteApp, escolha o pais e criar a collection.

 

Continuidade da criação.

 

Iniciando a coleção de aplicações.

 

Neste item os 2 primeiros itens são as configurações das escolhas das aplicações a serem virtualizadas no RemoteApp.

 

Aplicação virtualizada vamos acessar o RemoteApp. O site para instalar a aplicação é https://remoteapp.windowsazure.com

 

Baixe a aplicação

 

Instale a aplicação RemoteApp

Aplicação instalada acesse com os usuários liberados.

Autentique com o usuário

 

Dependendo da conta utilize o usuário do AD Azure ou seu usuário de account Microsoft.

 

 

 

 

Pronto, você está apto a utilizar as aplicações provisionadas para RemoteApp.

 

Agradeço o apoio e ao projeto o Flavio Henrique da Wansecurity do Rio de Janeiro.

 

Espero que tenham gostado.

 

 

 

 

 

 

 

Cloudberry backup com Openstack

Como disse anteriormente o Cloudberry tem total compatibilidade com multinuvem, e eu estou dando ênfase agora com o Openstack.

O Cloudberry é uma ferramenta além de barata e eficiente caso você esteja em uma nuvem hibrida com o Openstack, fez a união do útil ao agradável.

O Openstack é a Cloud do momento e o custo que você teria para a contratação do Cloudberry e Openstack é um casamento perfeito, barato e eficiente.


Total compatibilidade com Openstack

A partir de MBS versão 4.0 do cliente , oferecemos um suporte completo para OpenStack e para armazenamentos OpenStack – compatíveis.

Este post explica como adicionar esses armazenamentos à lista de armazenamentos de que seus usuários podem executar um backup

Você pode selecionar o armazenamento OpenStack compatível como um armazenamento principal ou pode adicioná-lo como uma conta de armazenamento adicional. Dependendo da sua situação , leia uma das seguintes partes deste artigo :

Selecting OpenStack-compatible Storage as the Main Storage after Signing up to MBS,
Adding OpenStack-compatible Storage as an Additional Storage Account.

Acesse a área de administração web do Cloudberry, selecione a nuvem Openstack


2. Clique em Next.

3. Siga os outros passos do assistente para concluir a configuração de armazenamento.
						

.

Adicione armazenamento com openstack comptivel com uma conta.

1. Siga as instruções 1 e 2 para conexões de múltiplas contas.

2. Depois disso , no passo 3 do tópico de ajuda MBS mencionados selecione " OpenStack " na lista de contas de armazenagem.

.


2. Prossiga com a “várias contas de armazenamento Support” tópico MBS Ajuda a partir do passo 4 de “Adicionando uma nova conta de armazenamento”

Importante: Certifique-se de que ou “Permitir opção de atualização automática” na guia “Rebranding” estiver ativado, ou que seus usuários tenham atualizado seus clientes de backup.

Lembrando que este laboratório foi feito em um notebook com Ubuntu e Devstack.

Feito em um nó só a caráter de Lab.

Será aplicado futuramente em um ambiente de produção já adquirido com um cliente.

As 2 ferramentas excelentes.

Espero que gostem do post.

Conheça o dispositivo que destrava qualquer carro ou porta de garagem

http://www.oanalista.com.br/2015/08/09/conheca-o-dispositivo-que-destrava-qualquer-carro-ou-porta-de-garagem/

5 motivos para você experimentar o Microsoft Edge agora mesmo

http://www.tecmundo.com.br/microsoft-edge/84443-5-motivos-voce-experimentar-microsoft-edge-mesmo.htm

Provisionamento Operations Manager Insights

O Operations Manager Insights é uma atualização do Microsoft Advisor.

Ele é a versão SaaS do Operations Manager, pacote do Microsoft System Center 2012 R2 Operations Manager.

A ferramenta tem como melhorar a eficiência de Governança sob o fluxo de devices e o Capacity que uma organização possui, tanto para operação como para tomada de decisão técnica futura.

Transformar dados de computador

Insights operacionais é um serviço de análise que permite aos administradores de TI obter uma visão mais profunda entre ambientes locais e na nuvem. Ele permite interagir com os dados históricos e em tempo real de computador para rapidamente desenvolver soluções personalizadas e fornecer padrões desenvolvidos pela comunidade e pela Microsoft para análise de dados.

Com o Insights Operacionais, você pode transformar dados do computador em inteligência operacional com os recursos a seguir.

O que usar O que ele faz
Planejamento da capacidade Você pode usar a solução Gerenciamento de Capacidade no Insights Operacionais do Microsoft Azure para ajudá-lo a compreender a capacidade da sua infraestrutura de servidor.
Avaliação de atualização do sistema Você pode usar a solução Atualizações do Sistema no Insights Operacionais do Microsoft Azure para ajudá-lo a aplicar as atualizações ausentes a servidores na sua infraestrutura.
Gerenciamento de Log Você pode usar a solução de Gerenciamento de Log para coletar eventos e logs do IIS para pesquisas de log no Insights Operacionais.
Avaliação de malware Você pode usar a solução Antimalware no Insights Operacionais do Microsoft Azure para ajudá-lo a proteger os servidores na infraestrutura contra malware.
Segurança e auditoria Você pode usar a solução Segurança e Auditoria para obter uma visão abrangente da postura de segurança de TI da sua organização com consultas de pesquisa interna para problemas importantes que exigem atenção.
Avaliação de SQL e do Active Directory Você pode usar a solução Avaliação para avaliar o risco e a integridade de seus ambientes de servidor em intervalos regulares.
Gerenciamento de alertas Você pode usar a solução de Gerenciamento de Alertas para gerenciar alertas de servidores monitorados pelo Operations Manager.

Você também pode:

  • Enviar dados do computador para o sistema usando ou não um agente ou em conjunto com o System Center Operations Manager. Para obter mais informações, consulte:
  • Faça todas as opções acima em praticamente qualquer lugar com o aplicativo móvel
  • Para saber mais sobre o aplicativo Windows Phone, confira Aplicativo móvel Insights Operacionais

    Ambiente do Insights Operacionais

    O ambiente do Insights operacionais é composto de:

  • Espaços de trabalho hospedados no Microsoft Azure que são contêineres para contas do Azure
  • o serviço Web do Insights operacionais, que está hospedado na nuvem
  • qualquer um dos agentes separados que se conectam diretamente ao serviço Web
  • ou, um serviço anexado ao System Center Operations Manager, mas não é necessário

    Se você usou a versão anterior do Insights operacionais chamado System Center Advisor, você pode ter software Advisor instalado no seu ambiente local. No entanto, o software Advisor não tem suporte com o Insights Operacionais.

    O uso do software Insights Operacionais como um serviço do Operations Manager consiste em um ou mais grupos de gerenciamento e pelo menos um agente por grupo de gerenciamento. Os agentes do Operations Manager coletam dados de seus servidores e os analisam usando soluções (semelhantes a um pacote de gerenciamento no System Center Operations Manager). Os dados são regularmente enviados do Operations Manager para o serviço Web do Insights Operacionais (se necessário, passando por um servidor proxy), e nada é armazenado em bancos de dados do Operations Manager; portanto, não há nenhuma carga adicional sobre eles.

    Da mesma forma, os agentes instalados em computadores individuais podem se conectar diretamente ao serviço Web para enviar os dados coletados para processamento.

    Os dados em cada solução são analisados e apresentados no portal do Insights Operacionais. Você pode exibir todos os alertas e diretrizes de correções associadas, avaliações de configuração, problemas de capacidade de infraestrutura, status de atualização do sistema, avisos de antimalware e dados de log. Você também pode executar pesquisas de log detalhado e explorações ad hoc.

  • Arquitetura

  • environment

    Onde o Insights Operacionais está disponível?

    O Insights Operacionais do Microsoft Azure está hospedado nos Estados Unidos. Embora o idioma do Insights Operacionais seja o inglês, o serviço está disponível em vários outros mercados. Para saber mais, confira Disponibilidade internacional.

    Abaixo segue o provisionamento da ferramenta.

    Interface de gerenciamento do Azure escolha (Insights operacionais ou Operations Insights)

    Na criação temos algumas avaliações técnicas quanto a parte de escolha do blob storage gratuito, padrão ou premium onde irá ser armazenado os dados.

    Gratuito: ele irá gravar por pouco tempo não informado o tempo

    Padrão: Ele grava no blob sem limite de tempo

    Premium: gravação no Blob Premium do Azure.

    OBS: Por enquanto não tem interface hospedada no Brasil, somente EUA e Europa.

    Após provisionado ele irá criar o ambiente e disponibilizar um link de acesso para administração da ferramenta.

    Alguns links para leitura, e convido a você ler pois a muitos detalhes pois o ambiente é SaaS.

    Para quem já teve acesso ao System Center terá muita familiaridade e conhecimento para lhe dar com a ferramenta, mas para quem não teve recomendo acessar o site do Azure e ler os artigos da ferramenta.

    Lembrando que o pensamento é sempre com a cabeça em nuvem pois todo o ambiente é cobrado por hora.

    Para o acesso é preciso ativar com um e-mail valido da conta Azure ou contra E.A.

    Microsoft Operations Management Suite
    Hey
    We have received a request to add this email address to a Microsoft Operations Management Suite account.
    Please click “Confirm Now” to let us know that is okay to add this email address to this account.
    The Microsoft Operations Management Suite Team
    Microsoft
    Microsoft respects your privacy. Please read our online Privacy Statement.
    This message from Microsoft is an important part of a program, service, or product that you or your company purchased to participate in.

    Microsoft Corporation, One Microsoft Way, Redmond, WA 98052 USA

    Você receberá um e-mail como este para ativação e autenticação no ambiente.

    Dando continuidade após todos cadastros você terá acesso ao ambiente

    No menu gerenciar ele redirecionará para a área de Administração da ferramenta.

    A interface é bem limpa nos padrões da web atual.

    A um menu para instalação dos agentes para Windows e outros sistema operacionais.

    Convido a você a utilizar a ferramenta que é muito rica de detalhes.

    Espero ter ajudado e teremos mais informações em outros Posts a administração da Ferramenta.

    Links para leitura abaixo para maiores detalhes:

    https://azure.microsoft.com/pt-br/documentation/articles/operational-insights-feature-guide/

    Overview Operations Insights

    Logs no Operations Insights