Arquivo da categoria: Azure

Quadrante 2017 vs 2018 Nuvem

0 As corporações estão mudando a mentalidade sobre Cloud.

Esperam confiabilidade, escala, capacidade de manutenção e melhor suporte, não estão adotando a nuvem pública para recursos como autoatendimento, pagamento por uso, automação de acordo com o relatório do Gartner.

CenturyLink, Fujitsu, Interoute, Joyent, Rackspace, NTT Communications, Skytap e Virtustream foram retirados. Todos esses fornecedores falharam em fornecer os recursos técnicos relevantes para o Gartner, que são baseados no suporte a cargas de trabalho de produção em larga escala e de missão crítica, sejam corporativas ou nativas em nuvem.

O Amazon AWS é um líder indiscutível da nuvem pública. Sua plataforma de nuvem é madura, comprovada e confiável, tornando-se uma opção segura para empresas. Os clientes devem estar cientes do fato de que é fácil começar a usar o AWS, mas otimizá-lo para obter desempenho e o custo está se tornando cada vez mais complexo.

O forte comprometimento da Azure com os serviços em nuvem da Microsoft foi recompensado com significativo sucesso de mercado, o que a torna uma alternativa viável à AWS. A adoção do Linux e das tecnologias de código aberto da Microsoft, combinadas com o software do Azure Stack, está atraindo clientes corporativos para o Azure.

O Google Cloud finalmente chegou ao cobiçado quadrante de liderança. No entanto, tem que fechar a lacuna com os dois principais concorrentes. O fator de diferenciação do Google está em seus profundos investimentos em análise e ML

O Alibaba Cloud, antes confinado ao mercado da China, agora se qualifica como provedor global de nuvem de hiperescala, com seus centros de dados de Cingapura e Índia.

Mais informações acesse o site do gartner https://www.gartner.com/en

Valeu pessoal

Windows Server 2019 no Azure

Windows-Server-2019-750x422

Olá Pessoal

O Windows Server 2019 já está disponível no Azure.

Seu lançamento oficial é em Agosto.

Na busca coloque 2019 e ache o Windows Server 2019.

Fique atento porque a versão é de insiders para caráter de laboratório e testes. Ou seja não coloque o ambiente em produção. A Versão é PRE RTM mas já podemos testar e utilizar os recursos do Windows Server 2019.

Como estamos testando preencha os campos com usuário e senha de acesso.

Escolha a máquina com recursos mínimos necessários para pelo menos realizar o laboratório.

Próximo passo é a escolha dos recuros de acesso, endereço ip e outros. Estou seguindo os padrões afinal não será máquina de produção.

Aceite os termos para o uso da máquina virtual e vamos aguardar ansiosamente o Windows Server 2019.

Maquina criada vamos acessar ela?

Vamos acessar pelas credenciais de acessos criadas.

O processo é o mesmo do 2008, 2012 e 2016

Pronto, estamos no Windows Server 2019. A princípio a cara do 2016.

O Server manager é o mesmo também.

7 novidades interessantes para a matéria não ficar em vão claro.

1 – Nova cadeia de versões (Atualizações)

A partir desta nova versão, teremos duas opções para receber atualizações de recursos:

  1. Canal de manutenção a longo prazo (LTSC): escopo de cinco anos de suporte base e outros cinco anos de suporte estendido. Com a opção de fazer upgrade para a próxima versão do LTSC a cada dois ou três anos, com o mesmo suporte dos últimos 20 anos;
  2. Canal semestral (SAC): esse é um benefício para (SA) Software Assurance e é totalmente compatível na produção. A diferença é que ele oferece suporte por 18 meses e há uma nova versão a cada seis meses;

2 – Contêiners de Aplicativos e Microserviços

A imagem de contêiner do Server Core foi bem otimizada para alguns cenários em alto nível, dentre estes como poder migrar bases de código ou aplicativos em contêineres com alterações poucas alterações.

3 – Gerenciamento moderno

Com o grande Projeto Honolulu, agora podemos obter uma experiência bem simplificada da infra, integrada e segura a fim de ajudar os administradores do setor de TI a gerenciarem a solução de problemas, a configuração e os cenários de manutenção essenciais.

Esse Projeto inclui a próxima geração de ferramenta com uma interface simplificada, integrada, segura e ampliável.

Onde está incluído uma nova experiência de gerenciamento intuitiva para gerenciar computadores, servidores do Windows, Clusters de failover, além da infraestrutura de hiperconvergência com base nos Espaços de Armazenamento Diretos, reduzindo os custos operacionais.

4 – Computação

Abaixo alguns dos principais recursos:

  • – Nano contêiner e contêiner do Server Core: em primeiro lugar, esta versão promove a inovação dos aplicativos. O Servidor Nano ou Nano como host é preterido e substituído pelo contêiner Nano, que é o Nano funcionando como imagem do contêiner;
  • – Server Core como um host de contêiner (e infraestrutura), fornece mais flexibilidade, densidade e desempenho para aplicativos atuais sob um processo de modernização e marca os novos aplicativos desenvolvidos usando o modelo de nuvem;
  • – O Balanceamento de carga de VM também é melhorado com o reconhecimento de sistema operacional e aplicativo, garantindo o melhor balanceamento de carga e desempenho dos aplicativos;
  • – O Suporte de memória da classe de armazenamento para VMs permite que os volumes de acesso direto formatados para NTFS sejam criados em DIMMs não voláteis e expostos às VMs Hyper-V. Isso permite que as VMs do Hyper-V aproveitem o desempenho de baixa latência de dispositivos de memória da classe de armazenamento;
  • – A Memória Persistente Virtualizada (vPMEM) é habilitada ao criar um arquivo VHD (.vhdpmem) em um volume de acesso direto em um host, adicionando um Controlador vPMEM a uma VM, além de adicionar o dispositivo criado (.vhdpmem) a uma VM. O uso de arquivos vhdpmem nos volumes de acesso direto em um host para vPMEM proporciona a flexibilidade de alocação e aproveita um modelo de gerenciamento conhecido para adicionar discos às VMs;
  • – Armazenamento de contêiner: volumes de dados persistentes nos volumes compartilhados do cluster (CSV). No Windows Server, versão 1709, bem como no Windows Server 2016 com as últimas atualizações, adicionamos suporte para que os contêineres acesse volumes de dados persistentes localizados em CSVs, incluindo os CSVs em Espaços de Armazenamento Diretos;

5 – Segurança e Garantia

Agora com Criptografia de rede, no qual permite criptografar rapidamente os segmentos de rede na infraestrutura de rede definida pelo software a fim de atender às necessidades de segurança e conformidade.

O Serviço Guardião de Host (HGS) como uma VM protegida está habilitado. Antes desta versão, a recomendação era implantar um cluster físico de três nós.

Agora também há suporte para Linux como VM protegida.

6 – Armazenamento

Principais mudanças.

– Réplica de armazenamento: a proteção de recuperação de desastres adicionada por Réplica de armazenamento no Windows Server 2016 agora é expandida para incluir:

  • Failover de teste: a opção para montar o armazenamento de destino agora é possível por meio do recurso de failover de teste. Você pode montar um instantâneo do armazenamento replicado em nós de destino temporariamente para fins de teste ou backup;
  • Suporte do Projeto Honolulu: o suporte para gerenciamento gráfico de replicação de servidor para servidor agora está disponível no projeto Honolulu. Isso elimina a necessidade de usar o PowerShell para gerenciar uma carga de trabalho de proteção contra desastres comuns.

– SMB (ponto importante):

  • SMB1 e remoção de autenticação de convidado: o Windows Server, versão 1709, não instala mais o cliente SMB1 e o servidor por padrão. Além disso, a capacidade de autenticar como um convidado no SMB2 e posterior está desativada por padrão. Para obter mais informações;
  • Segurança e compatibilidade de SMB2/SMB3: foram adicionadas mais opções de compatibilidade e segurança de aplicativo, incluindo a capacidade de desabilitar os bloqueios em SMB2+ para aplicativos herdados, bem como exigir assinatura ou criptografia com base em conexão de um cliente;

– Eliminação de duplicação de dados:

  • Eliminação da duplicação de dados agora oferece suporte a ReFS: você não deve escolher entre as vantagens de um sistema de arquivos moderno com ReFS e a eliminação da duplicação de dados: agora, você pode habilitar a eliminação da duplicação de dados, na qual você pode habilitar ReFS. Aumente a eficiência do armazenamento em mais de 95% com ReFS;
  • API de DataPort para entrada/saída otimizada para volumes com eliminação de duplicação: os desenvolvedores agora podem aproveitar o conhecimento que a Eliminação da duplicação de dados tem sobre como armazenar dados de modo eficaz para mover os dados entre volumes, servidores e clusters de forma eficiente;

7 – RDS

RDS agora é integrado ao Azure AD, portanto, os clientes podem aproveitar as políticas de Acesso condicional, Autenticação multifator, Autenticação integrada a outros aplicativos SaaS usando o Azure AD e muito mais.

Até o seu lançamento oficial podemos já testar sem mesmo baixar e instalar local.

Mas se você quiser também baixar segue abaixo:

https://www.microsoft.com/en-us/software-download/windowsinsiderpreviewserver

Espero ter ajudado com a matéria.

Até mais

GDPR, Office 365 e Azure

Olá pessoal

Tem se falado no GDPR, mas o que é o GDPR?

Primeiro vamos traduzir e colocar em uma liguagem com um entendimento basico.

Em português é “Regulamento Geral de Proteção de Dados” (General Data Protection Regulation, GDPR) é a norma mais recente criada para fortalecer a proteção de dados pessoais de cidadãos da União Europeia.

Mas por que estas regulamentações estão sendo fundidas e regulamentadas aqui no Brasil? Simples, muitas regulamentações, médicas, bancarias, industriais e outras tem como base EUA e Europa. Softwares, dados e data centers, compliances e regras são todos originados la fora e regimentados aqui no Brasil.

Aqui no Brasil seguimos bastante informações e regras obrigatórias pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

Aqui no Brasil deve-se ter ativado a partir da data de 25 de Maio de 2018.

O Banco Central já soltou uma portaria para que os bancos de adequem a regulamentação. Resolução 4.658 do Banco Central.

O GDPR é a maior mudança em privacidade e segurança da informação das últimas décadas, substituindo o último acordo europeu, datado de 1995. Por isso, as organizações devem se atentar a todas as regras para garantir a conformidade. A Microsoft tem feito isso desde que o acordo foi firmado, em 14 de abril de 2016, e foi a primeira provedora de nuvem global a oferecer termos e condições compatíveis com a nova regra em seus serviços. Assim, soluções como Azure, Microsoft 365 e Dynamics 365, já estão adequadas. No entanto, estar em conformidade com o GDPR vai além do uso de tecnologia, mas sim passa por processos internos, políticas e pessoas.

Como mencionado acima o GDPR vai muito alem de só tecnologia.

O Office 365 tem um link que te ajuda a entender melhor e ativar algumas resoluções sobre o GDPR.

https://www.microsoft.com/pt-br/TrustCenter/CloudServices/office365/GDPR

leia que é praticamente pauta obrigatória em algumas corporações como instituições financeiras e Instituições de saúde.

Mas como ativarei isso? Calma, como estou repetindo acima, é um tema extenso e precisa de tempo para entender.

Ou seja é um troço chato, mas……. é importante e alguns casos obrigatório.

No Office 365 alguns pontos quando você entra na Tenant.

Veja em https://protection.office.com e seu nivel de licenciamento atinge praticamente todos serviços do Office e seu ecosistema.

Mencionei Azure no tema por que o Office 365 utiliza varios recursos do Azure como Azure AD, Azure Information Protection e outros então todo serviços cloud da Microsoft está engajado.

Em Classificação da Informação: Ative a classificação da informação com botões de nível de importância dos documentos da organização.

Publico, Interna, Restrita, Confidencial.

Criações de rotulos como acima são uns dos pontos.

Em DLP (Data Loss Prevention) Prevenção de perda de dados, acredito que é um dos principais pontos do ecossistema que faz sentido ao GDPR.

Nesta ativação tem varias resoluções de regulamentações da Europa, EUA e do Brasil. Varias regulamentações exemplo em Medical and Health.

Na Pagina de GDPR tem varias orientações para você com mais compreensão realizar as configurações, coletas de dados e geração de relatórios para ficar em compliance com as resoluções.

Basta ter a vontade de ler, que é extenso, entender como é o ecosistema e ir fazendo as aplicações.

Governança de dados

A governança dos dados é um Dashboard que já começa a coletagem de informações das suas ativações que vai te dar rumos de configurações e ativações e ajustes de resultados de melhorias na segurança dos dados. Aqui você consegue verificar retenção de dados.

Privacidade dos dados

Por fim já tem um menu reforçando a privacidades dos dados com enfase ao GDPR com todas as informações, orientações dos serviços do Office 365, Microsoft 365 e outros serviços do Azure.

Estes serviço atinge direto o Onedrive, Sharepoint, Office e Office Online, Exchange online e outros.

Algumas orientações são importantes:

O Microsoft Office 365 e as ferramentas relacionadas permitem proteger dados pessoais das seguintes maneiras:

  • Ajuste as configurações de privacidade no Word, no Excel e no PowerPoint para limitar a conexão dos aplicativos do Office à Internet, tornar a marcação oculta visível e inspecionar e remover dados pessoais de documentos com o Inspetor de Documento.
  • Limite o acesso a arquivos ou pastas compartilhados no OneDrive for Business e gerencie quem pode exibir ou editar os arquivos.
  • Use a opção para criptografar documentos do Word, do Excel e do PowerPoint com proteção por senha.
  • Use o Azure Information Protection para criptografia e gerenciamento de direitos.
  • Use a opção de criptografia durante o Serviço de Importação de PST.
  • Criptografe mensagens ao transferir dados pessoais para partes externas por email com OME (Criptografia de Mensagem) do Office 365.
  • Use a Inteligência Contra Ameaças para descobrir e proteger de forma proativa contra ameaças avançadas no Office 365.
  • Proteja o email contra ataques de malware desconhecidos e sofisticados em tempo real usando a Proteção Avançada contra Ameaças para Exchange Online (que requer uma assinatura do Office 365 E5).
  • Identifique o uso de alto risco e anormal recebendo alertas de possíveis violações, permitindo-lhe acompanhar e responder a ações de alto risco com o Gerenciamento de Segurança Avançada.
  • Monitore e capture todas as atividades que ocorrem dentro de seu tenant usando a API de Atividades de Gerenciamento.
  • Use o Log de Auditoria Unificado para acompanhar e registrar atividades de processamento em todo o ambiente do Office 365, registrar a resolução de solicitações de direitos de entidades de dados e os eventos de log associados à alteração, ao apagamento ou à transferência de dados pessoais e fornecer insight sobre os dados transferidos para terceiros por email ou compartilhados usando o SharePoint Online e o OneDrive for Business.
  • Use o Acompanhamento de Mensagens do Exchange para determinar o destinatário de um email e se ele foi recebido, rejeitado, adiado ou entregue.

Use a API de Atividade de Gerenciamento do Office 365 para identificar atividades de compartilhamento de usuários no Exchange Online e no SharePoint Online.
===========================================================================

TEMA GDPR e SEGURANÇA

Como o tema é complicado eu montei uma planilha que vale para aplicação de segurança no Office 365 e montei um POC, estou compartilhando a planilha para dividir os trabalhos de implantação e configuração.

EM BREVE NA MESMA PASTA A PROPOSTA DE ESCOPO TÉCNICO DA IMPLANTAÇÃO E A CONFIGURAÇÃO.

Pesquisei aqui no Brasil que consegue implantar e só a MICROSOFT e uma empresa que presta consultoria através da CORP que tem condições técnicas de realizar a implantação.

A planilha ajuda bastante para saber o que fazer primeiramente.

Segue o link  https://1drv.ms/x/s!An-dPolj_Ee_hdUx_75nHFiPY-1qjQ 

===========================================================================

IMPORTANTE

Para ajudar os clientes que estão buscando informações que possam ajudar a realizar uma DPIA (Avaliação de Impacto de Proteção de Dados) que aborde seu uso do Office 365, a Microsoft fornece informações detalhadas sobre o processamento de dados do cliente e as medidas de segurança usadas para proteger esses dados. Essas informações são acessíveis por meio do Microsoft Trust Center.

 

Além de mostrar como iniciar uma configuração de proteção e sobre GDPR abaixo estão as fontes que usei para explanar e mostrar que o Office 365 e Azure está totalmente em compliance com GDPR.

https://www.jota.info/opiniao-e-analise/artigos/10-coisas-que-sua-empresa-deve-saber-sobre-o-gdpr-da-uniao-europeia-15012018

https://enterprise.microsoft.com/pt-br/articles/digital-transformation/gdpr-prepare-se-para-as-novas-regras-de-protecao-de-dados/

https://www.microsoft.com/pt-br/TrustCenter/CloudServices/office365/GDPR

https://www.eugdpr.org/

Pessoal, se tiverem dúvida entrem em contato.

Abraços

Terraform, sua infraestrutura como código.

terraform

Olá pessoal

Estive pesquisando e testando varias ferramentas para agilidade em infraestrutura com enfase em praticas devops.

As ferramentas que tive contato direto e usei foi VSTS no visual Studio que é sensacional, sou suspeito em falar da ferramenta, Ansible que também é sensacional, muito fácil de utilizar.

A grata surpresa foi quando testei a ferramenta da HashiCorp, Terraform.

Minha pesquisa foi por que a administração em ambientes grandes de cloud com acesso a Azure, AWS e Google começa a ter um certo nível de detalhe e camadas de configuração, e até ter um nível bom em segurança da informação para compliances.

Isso é sério e algumas empresas levam a sério como bancos os níveis de acesso e credenciais de acesso a ambientes e níveis de funções como em ambiente de desenvolvimento, em infraestrutura e outros.

Terraform é uma ferramenta para construir, alterar e infra-estrutura de versões com segurança e eficiência em forma de código altamente facil.
O Terraform pode gerenciar varios provedores de serviços em cloud, hibridos e baremetal existentes e populares, como Cloud Computing em Azure, AWS, Google cloud, Oracle Cloud e Digital Ocean, bem como soluções internas personalizadas de datacenter como Openstack, Vmaware e Hyper-V.

O Terraform é capaz de determinar o que mudou e criar planos de execução incremental que podem ser aplicados.

Importante que você tem os versionamentos de mudanças da infraestrutura. Ambientes onde é feito via Gerenciamento de Mudanças você pode criar histórico de relatórios onde a equipe de governança terá total respaldo e controle melhor.

Em tempos de ambientes ágeis o Terraform se torna uma poderosa ferramenta inteligente.

A infraestrutura que o Terraform pode gerenciar inclui componentes de baixo nível, como instâncias de computação, armazenamento e rede, além de componentes de alto nível, como entradas de DNS, recursos de SaaS etc.

Infraestrutura como Código

A infra-estrutura é descrita usando uma sintaxe de configuração de alto nível. Isso permite que um modelo construído do seu data center seja versionado e tratado como você faria com qualquer outro código. Além disso, a infraestrutura pode compartilhada e reutilizada.

Gráfico de recursos

O Terraform constrói um gráfico de todos os seus recursos e paraleliza a criação e modificação de quaisquer recursos não dependentes. Por isso, o Terraform constrói a infraestrutura da maneira mais eficiente possível, e os operadores obtêm insights sobre as dependências de sua infraestrutura.

Automação de Mudança

Os changesets complexos podem ser aplicados à sua infraestrutura com interação humana mínima. Com o plano de execução e o gráfico de recursos mencionados anteriormente, você sabe exatamente o que o Terraform mudará e em que ordem, evitando muitos possíveis erros humanos.

Com um olhar de segurança da informação, seu ambiente de virtualização, hibrido ou em cloud terá o minimo de acesso e o máximo de eficiência e produtividade com segurança.

Terraform vs. concorrentes

O Terraform fornece uma abstração flexível de recursos e provedores. Esse modelo permite representar tudo, desde hardware físico, máquinas virtuais e contêineres, até provedores de e-mail e DNS. Devido a essa flexibilidade, o Terraform pode ser usado para resolver muitos problemas diferentes. Isso significa que existem várias ferramentas existentes que se sobrepõem às capacidades do Terraform. Nós comparamos o Terraform a várias dessas ferramentas, mas deve-se notar que o Terraform não exclusivo com outros sistemas. Pode ser usado para gerenciar um único aplicativo ou o datacenter inteiro.

Veja o comparativo no próprio site do Terraform

https://www.terraform.io/intro/vs/chef-puppet.html

https://www.terraform.io/intro/vs/cloudformation.html

Implantação Multi-Cloud

infraestrutura multi nuven para aumentar a tolerância a falhas. A realização de implantações multi nuvem pode ser muito desafiadora, pois muitas ferramentas existentes para gerenciamento de infraestrutura são específicas da nuvem. O Terraform é agnóstico foi que me interessou e de fácil assimilação, em relação à nuvem e permite que uma única configuração seja usada para gerenciar vários provedores e até mesmo para lidar com dependências entre nuvens. Isso simplifica o gerenciamento e a orquestração, ajudando as operadoras a construir infraestruturas de várias nuvens em grande escala.

Instalação

O Terraform além de ser mutinuvem, hibrido e baremetal ele tem compatibilidade com vários sistema operacionais.

https://www.terraform.io/downloads.html

versoes

Obviamente você utilizará a versão que você mais se familiariza.

Eu vou demonstrar abaixo bem simples no Ubuntu e no Azure que tem pronto no Marketplace.

Ubuntu:

Baixe a versão que está no site

Se não tiver a versão do gunzip e wget ja baixe

apt-get install gunzip wget
wget https://releases.hashicorp.com/terraform/0.11.7/terraform_0.11.7_linux_amd64.zip
unzip terra*

Mova os binários para a pasta /usr/local/bin/
mv terraform /usr/local/bin/
terraform --version

Esta é a forma de usar no ubuntu.

Agora vamos para o Azure.

terraformazure001

Faça a busca do terraform e escolha a maquina virtual.

terraformazure002

Leia atentamente as instruções da maquina virtual do Marketplace.

terraformazure003

Complete as instruções de usuário e senha, localidade, nome da maquina e grupo de recursos do Azure.

terraformazure004

Neste passo é sugerido este modelo de maquina virtual do Terraform, então mantenha ou veja modelos equivalentes.

terraformazure005

Confirme os parâmetro de provisionamento e aguarde as instalações do Terraform.

terraformazure006

Agora só aguardar.

terraformazure007

Maquina instalada com sucesso e vamos acessar.

terraformazure008

Terraform devidamente provisionado e pronto para o uso. Vamos mostrar um modelo de criação de uma maquina no Azure através do Terraform

Para o funcionamento correto do Terraform no Azure instale o pacote do Azure CLI na maquina.

https://docs.microsoft.com/pt-br/cli/azure/install-azure-cli-apt?view=azure-cli-latest

O modelo de template para criação da maquina virtual está aqui abaixo:

Leia o resto deste post

Global vNet Peering – Conexão entre regiões e subscrições diferentes.

Olá pessoal

Hoje vou mostrar para você uma LAB com a nova funcionalidade de peering global.

Diagrama sem título

Eu vou fazer entre 2 subscrições diferentes e mostrar a você que funciona. Era uma deficiência que agora não existe mais.

Isso vai garantir que os custos serão menores, não precisa mais de VPN para realizar a interconexão entre redes diferentes e subscrições diferentes.

A primeira rede é no Brasil e a outra farei nos EUA.

Vamos la

Vnet subscrição 02, Nos EUA em região geográfica diferente.

Primeira rede no Brasil

Atenção a assinatura, grupo de recursos e a localização.

Vnets criadas agora vamos realizar a configuração dos peering.

A configuração inicia aqui em emparelhamento (peering).

Veja que para realizar o emparelhamento das redes eu escolhi a subscrição dos EUA e a rede dos EUA. Lembrando que estou na rede do do Brasil.

Emparelhamento do Brasil para o EUA com subscrições diferentes completado

Proximo passo realizar a configuração da rede EUA para rede Brasil.

Agora é só aguardar o emparelhamento (Peering se completar)

Emparelhamento finalizado.

A partir deste momento se você tiver subscrições diferentes e quer se comunicar, ou quer que sua rede se comunique com uma subscrição de um cliente ou fornecedor você estará apto a ter transito de vms e serviços do Azure entre as redes.

As configurações são bem simples de fazer.

Mas por traz está uma engenharia grande para o bom funcionamento.

Espero que eu tenha ajudado e desfrute da nova funcionalidade do Azure.

Até mais pessoal.

Windows Admin Center

Olá Pessoal

Você já ouviu falar bastante do projeto Honolulu.

Pois é, ele ficou estável e se tornou Windows Admin Center.

Eu resolvi instalar em laboratório em um Windows 10 no Azure.

Entrei no site http://aka.ms/WACDownload

Na instalação resolvi escolher a porta 443 padrão https.

Muito parecido com a instalação do projeto Honolulu.

A instalação é muito rápida. Vamos abrir o Windows Admin Center.

Na instalação já veja o certificado de acesso, ou já compre um certificado valido caso sua empresa use um.

Como no Honolulu é bem parecido, mais rápido no caso.

Vamos testar.

Vamos acessar a maquina, no caso é Windows 10.

Imagina o que você fazia via gráfico do Windows, agora veja tudo isso via web podendo acessar com segurança da web.

Este claro foi instalado em uma maquina com Windows 10 e não tem todos recursos que o Windows Server tem.

NÃO ESQUEÇA DA LIBERAÇÃO DA PORTA 443 NO FIREWALL NO CASO SE TIVER USANDO AZURE.

VAMOS TESTAR?

No meu caso eu tenho um loadbalance fazendo NAT, então coloquei a porta 443 para acessar de fora.

Acessando de fora na sua máquina local você aceita o certificado e instala localmente para acessar o ambiente.

Acessando e gerenciando o Windows através do WAC Windows Admin Center.

Aproveitem.

Até o próximo post.

Azure Information Protection

Olá pessoal.

Apresentei no canal do Fabio FOL um overview do cenário Azure, Windows 10, EMS e Office 365 dando um foco no AIP.

Espero que vocês gostem.

Agradecimento ao Fabio FOL.

Seu canal no YouTube e o meu canal.

Projeto Honolulu – Gestão do Windows via web.

20180324_153614910216901548475097.jpg

Você terá a capacidade controlar totalmente a infraestrutura do servidor, permitindo que você os gerencie de qualquer lugar com o Microsoft Edge ou o Google Chrome. Vamos seguir passo a passo para implementá-lo.

O Projeto Honolulu ainda está em pré-visualização técnica (mas em breve!), Aqui estão as suas capacidades atuais:

  • Exibindo recursos e utilização de recursos
  • Gerenciamento de Certificados
  • Visualizador de eventos
  • File Explorer
  • Gerenciamento de Firewall
  • Configurando usuários e grupos locais
  • Configurações de rede
  • Exibindo / finalizando processos e criando despejos de processo
  • Edição do Registro
  • Gerenciando os Serviços do Windows
  • Ativando / desativando funções e recursos
  • Gerenciando VMs do Hyper-V e Comutadores Virtuais (Que vida)
  • Gerenciando Armazenamento
  • Gerenciando o Windows Update

Existem 3 opções para implantar o Microsoft Project Honolulu da seguinte forma:

101017_2308_STEPBYSTEPI2

Eu vou usar a opção 2 para implantar o Microsoft Project Honolulu. Projeto Honolulu requer recursos PowerShell que não estão incluídos no Windows 2012 e 2012 R2 Server, você precisa seguir as etapas para instalá-lo se você estiver usando o Windows 2012 e Windows 2012 R2 como um gateway de projeto Honolulu ou nó gerenciado.

Para Windows Server 2016 não requer os pacotes pois já fazem parte.

Este LAB é com Windows Server 2016.

Registre e baixe o software do Projeto Honolulu no seguinte link:

https://www.microsoft.com/pt-br/evalcenter/evaluate-windows-server-honolulu

honolulu01

3. Faça logon no servidor gateway.

4. Abra o PowerShell e execute o cmdlet a seguir para garantir que o Windows Management Framework 5 ou superior seja carregado.

honolulu02

Vamos instalar?

honolulu03

Na instalação ele vai gerar um certificado temporario a você ou se você tiver um certificado valido já pode instalar direto.

Certifique se a porta 443 é a ideal para você acessar de fora da sua rede, geralmente para acesso de fora usam NAT ou outra porta.

Aqui irei manter a porta 443.

honolulu04

Prossiga com a instalação

honolulu05

Como estamos com uma maquina virtual no Azure libere para acesso externo no NSG (Network Security Group).

honolulu06

Porta liberada vamos la

honolulu07

Finalizado a instalação vamos as configurações.

Você vai acessar https://localhost ou http://127.0.0.1 ou https://iplocaldamaquina

Para instalação via Powershell:

msiexec /i <HonoluluInstallerName>.msi /qn /L*v log.txt SME_PORT=<port> SSL_CERTIFICATE_OPTION=generate

Com certificado próprio:

msiexec /i <HonoluluInstallerName>.msi /qn /L*v log.txt SME_PORT=<port> SME_THUMBPRINT=<thumbprint> SSL_CERTIFICATE_OPTION=installed

honolulu08

Que lindo já esta no ar.

 

honolulu09

Liberamos a porta 443 no Azure, de fora ele pedira autenticação oviamente pelo administrador local cadastrado na instalação do Windows.

honolulu10

Veja que só tem a maquina que eu instalei, mas é possivel como server manager gerenciar as maquinas da sua rede ou datacenter.

Realmente a Microsoft se superou com o Porjeto Honolulu.

Para Windows Server 2012 tem alguns passos a mais

  1. Faça o download e instale o WMF 5.1 para o Project Honolulu Gateway ou o nó gerenciado (é necessário o servidor de reinicialização).

Faça o downloads do pacote abaixo para que instale o pacote do honolulu https://www.microsoft.com/pt-br/download/details.aspx?id=54616

 

honolulu11

Para acessar a maquina ele irá pedir as credenciais. Se você tiver Domain Controle, faça a autenticação com o usuário do domínio.

honolulu12

Veja que praticamente o que você fazia via RDP via web você fará com muita facilidade.

Eu vejo que uma das grande vantagens é gestão de maquinas do Hyper-V, tudo isso via Web.

Um projeto legal é instalar um servidor com Honolulu e ele ser o JumpServer por Network ou por barramento de network. Isso melhora a segurança dos acessos e a concessão mais centralizada.

Em compliances de auditoria e segurança da informação melhora as não conformidades pois você não acessara o servidor no sistema operacional.

honolulu13

Veja do que o Honolulu é capaz.

Pessoal espero que eu tenha contribuído com as comunidades com este post.

Não esqueçam do MVPConf dia 06 e 07 de Abril aqui em https://www.mvpconf.com.br/

 

 

 

Microsoft MVP Conference – #mvpconf

Olá pessoal,
Nos dias 6 e 7 de Abril desde ano, acontecerá na UNIP Taubaté São Paulo o maior evento presencial de experts Microsoft do Brasil – www.mvpconf.com.br, vou tentar enumerar as 5 razões de qualificar como o maior evento de expects e impulsar sua curiosidade para realizar sua inscrição agora:

1. Da comunidade para a comunidade técnica: Primeiro evento técnico presencial organizado por MVPs do Brasil – ainda não sabe o que é MVP? dá uma clicada aqui;

2. Networking: São mais de 70 MVPs do Brasil envolvidos nesse evento, teremos 7 profissionais da Microsoft no Keynote. Já imaginou se conectar pessoalmente com todos presencialmente? Veja quem são:

KEYNOTES:

image

PALESTRANTES:

Palestrantes_mvpconf

3. Ajudar o próximo diretamente: Talvez seja, se não o primeiro evento com taxa de inscrição 100% doada para APAE que você participa diretamente com sua contribuição;

4. Dev e Infra no mesmo evento: São 10 diferentes trilhas, você poder interagir com profissionais de diferentes áreas de atuação. Essa é a transformação digital que todas as empresas estão buscando, como falar com desenvolvedores, profissionais de IT e entender como sinergia dessas áreas em Cloud é fundamental;

palestras_blog

5. Sério que você ainda precisa de uma 5ª razão? ok, a 5ª razão é ‘UP na sua carreira’, pense na sua carreira e o quão é importante o aprendizado constante + razão n.2  – foi em eventos assim que eu comecei minha jornada e você como começará a sua?;

FAÇA SUA INSCRIÇÃO PELO SYMPLA: https://www.sympla.com.br/microsoft-mvp-conference__246657

Post gentilmente cedido pela MVP Sara Barbosa em https://sarabarbosa.net/2018/03/20/microsoft-mvp-conference-mvpconf/

Sincronização manual AAD Connect

Adivinha o que? Isso não é diferente para a versão 1.1 lançada recentemente da ferramenta do Azure AD Connect (AAD Connect), que, a propósito, tem várias alterações e aprimoramentos significativos.

Com o AAD Sync e a versão 1.0 da ferramenta AAD Connect, você também pode simplesmente executar a tarefa agendada manualmente.

Com o AAD Connect 1.1, não temos mais uma tarefa agendada do Windows em execução a cada 3 horas. Agora a ferramenta possui um agendador embutido, que por padrão executa a sincronização delta a cada 30 minutos. Você pode alterar esse cronograma de intervalo, no entanto, tenha em mente que 30 minutos é o intervalo mais baixo suportado.

Embora uma sincronização agora seja executada a cada 30 minutos, pode haver ocasiões em que você ainda deseja forçar uma sincronização. Para fazer isso, você inicia o Windows PowerShell no respectivo servidor no qual o AAD Connect foi instalado e digita o seguinte para importar o módulo do AAD

Conecte no PowerShell:

Import-Module ADSync

Você verificar as configurações atuais para o novo agendador, você pode usar o novo Get-ADSyncScheduler como mostrado abaixo.

 

Para forçar uma sincronização delta, você pode usar o seguinte comando do PowerShell:

Start-ADSyncSyncCycle PolicyType Delta

 

Se você quiser forçar uma sincronização inicial (completa), use este comando:

Start-ADSyncSyncCycle -PolicyType Initial

 

Obviamente é para quem tem sincronização do AD local com Office 365.

Espero ter ajudado.

randieri.com

Il blog di Cristian Randieri

TEC OFFICE PRODUTIVO

Tec Office Produtivo é um grupo de treinamentos, dicas e tutorias de informática sobre aplicativos utilizados em escritórios.

Gold Recipes

Gols Recipes

Escadas Especiais

Projetos, fabricação e instalação de escadas em geral

Jaqueline Ramos

Devops & Cloud

Blog do Douglas Romão

MVP Office Apps and Services | Modern Workplace and Business Applications Expert

Thiago Lúcio - Desenvolvimento Web/ Web Designer

Blog de Thiago Lúcio Bittencourt. Web Designer e Desenvolvedor Front-end.

🔵Fábio FOL

Gestão Estratégica Corporativa de uma forma Executiva e Prática