Arquivo da categoria: Openstack

Openstack Day – São Paulo – 08 de Outubro

openstackday.PNG

Dia 08 de Outubro o evento mais esperado para os entusiastas de Openstack.

Agora finalmente em SP.

Você administrador, Sysadmin, Influenciador e entusiasta vá ao evento, seja cloud na veia.

ingresso

Se você não sabe o que é o Openstack veja em https://fabiosilva.com.br/2015/04/12/introducao-ao-openstack/

Vai ser o teste de fogo do evento em SP.

Estarei la e convido a vocês estarem lá.

Obrigado.

Participe do Workshop OPENSTACK

The_OpenStack_logo.svg

Pessoal

Participe do Workshop já em andamento DE OPENSTACK.

^2A4EF4AD89F57E3865A95CEDF0D3BB26D0A4D657BAA15F124C^pimgpsh_fullsize_distr

Clique na imagem ou aqui para participar do Workshop

É Sensacional

Veja abaixo os videos relacionados ao Openstack.

INICIANDO COM OPENSTACK

Iniciando com OpenStack

INSTALAÇÃO OPENSTACK

REST API OPENSTACK

 

DEVSTACK LAB

 

Novidade em treinamentos em Cloud

Olá pessoal, estive 2 anos como palestrante voltado em Cloud e recentemente fui convidado a lecionar cursos voltados para Cloud.

É com muita alegria que apresento o Cloud Treinamentos, cursos voltados para are de computação em nuvem.

cloudtreinamentos

Serei um dos instrutores do curso apresentando Azure e Google Cloud.

Em breve estaremos oferecendo.

Veja nosso canal no Youtube

https://www.youtube.com/channel/UCp3V_2F4l8_2moPPmSx6vng

O site do Cloud Treinamentos

^26E44A1FCC78E2406212E93BACFEA99B79512C0C750EC8BE5F^pimgpsh_fullsize_distr

https://www.cloudtreinamentos.com.br

 

 

Cloudberry backup com Openstack

Como disse anteriormente o Cloudberry tem total compatibilidade com multinuvem, e eu estou dando ênfase agora com o Openstack.

O Cloudberry é uma ferramenta além de barata e eficiente caso você esteja em uma nuvem hibrida com o Openstack, fez a união do útil ao agradável.

O Openstack é a Cloud do momento e o custo que você teria para a contratação do Cloudberry e Openstack é um casamento perfeito, barato e eficiente.


Total compatibilidade com Openstack

A partir de MBS versão 4.0 do cliente , oferecemos um suporte completo para OpenStack e para armazenamentos OpenStack – compatíveis.

Este post explica como adicionar esses armazenamentos à lista de armazenamentos de que seus usuários podem executar um backup

Você pode selecionar o armazenamento OpenStack compatível como um armazenamento principal ou pode adicioná-lo como uma conta de armazenamento adicional. Dependendo da sua situação , leia uma das seguintes partes deste artigo :

Selecting OpenStack-compatible Storage as the Main Storage after Signing up to MBS,
Adding OpenStack-compatible Storage as an Additional Storage Account.

Acesse a área de administração web do Cloudberry, selecione a nuvem Openstack


2. Clique em Next.

3. Siga os outros passos do assistente para concluir a configuração de armazenamento.
						

.

Adicione armazenamento com openstack comptivel com uma conta.

1. Siga as instruções 1 e 2 para conexões de múltiplas contas.

2. Depois disso , no passo 3 do tópico de ajuda MBS mencionados selecione " OpenStack " na lista de contas de armazenagem.

.


2. Prossiga com a “várias contas de armazenamento Support” tópico MBS Ajuda a partir do passo 4 de “Adicionando uma nova conta de armazenamento”

Importante: Certifique-se de que ou “Permitir opção de atualização automática” na guia “Rebranding” estiver ativado, ou que seus usuários tenham atualizado seus clientes de backup.

Lembrando que este laboratório foi feito em um notebook com Ubuntu e Devstack.

Feito em um nó só a caráter de Lab.

Será aplicado futuramente em um ambiente de produção já adquirido com um cliente.

As 2 ferramentas excelentes.

Espero que gostem do post.

3° Hangout OpenStack Brasil

Olá

Nesse artigo vou falar sobre CLI e REST API no OpenStack.

O objetivo é dar um “start” nesse assunto e mostrar o caminho das pedras para quem quiser fazer mais testes e estudar mais sobre o assunto.

O ambiente que utilizei foi o seguinte:

2 máquinas virtuais no Virtual Box, ambas com Ubuntu 14.04 LTS. Em uma delas fiz um deploy com Devstack, vamos chama-la de “nuvem” e na outra vamos instalar o client do OpenStack, vamos chama-la de “cliente”.

 

A instalação do cliente será feita através do PIP que é um script Python que já instala todas as dependências e a versão mais atualizada.

Mãos a obra

INSTALANDO DEPENDÊNCIAS PARA INSTALAR CLI EM UBUNTU 14.04 LTS

#apt-get update

#apt-get install -y python-pip

#apt-get install -y build-essential

#apt-get install -y python-dev libxslt1-dev libxml2-dev

 

INSTALANDO OPENSTACK CLI

#pip install python-openstackclient

Nesse momento o cliente OpenStack já está instalado, porém, para iniciarmos a interação com a plataforma através do CLI precisamos passar nossas credenciais e para isso podemos logar (odeio essa expressão) pelo Horizon, clicar na aba projetos -> acesso e segurança -> API -> Baixar arquivo RC.

Abra o arquivo, copie o conteúdo, crie um arquivo na sua máquina cliente:

#vim openstackrc.sh

Salve o arquivo e execute o seguinte comando:

#source openstackrc.sh

Agora nossas variáveis foram criadas com as credenciais necessárias para acessar nossa nuvem OpenStack, então vamos executar alguns comandos para verificar o ambiente.

Lista as instancias criadas

#nova list

Lista imagens disponíveis

#glance image-list

Lista grupos de segurança

#nova secgroup-list

Lista regras do grupo de segurança default

#nova secgroup-list-rules default

 

Lista pares de chaves

#nova keypair-list

Lista flavors

#nova flavor-list

Lista redes configuradas

#nova network-list

Mostra detalhes da rede de nome private

#nova network-show private

 

Agora vamos começar a criar os componentes para vincular à instância que vamos lançar mais adiante.

Os comandos abaixo criam um grupo de segurança com o nome secgroup1 e define para ele uma regra que permite acesso SSH de qualquer IP e outra que permite protocolo icmp de todos os tipos também de qualquer IP.

#nova secgroup-create secgroup1 “secgroup1″

#nova secgroup-add-rule secgroup1 tcp 22 22 0.0.0.0/0

#nova secgroup-add-rule secgroup1 icmp -1 -1 0.0.0.0/0

Agora podemos listar as regras do grupo de segurança secgroup1

#nova secgroup-list-rules secgroup1

Vamos criar um flavor de nome “flavor1”, vamos definir o ID 6, 64MB de memória, 1GB de disco e 1 CPU. Para isso executamos o comando abaixo:

#nova flavor-create       flavor1    6   64   1    1

Podemos agora fazer o download de uma imagem do Cirros e criar essa imagem na nossa nuvem.

#wget http://download.cirros-cloud.net/0.3.1/cirros-0.3.1-x86_64-disk.img

#glance image-create –name=cirros_hangout –is-public=true –container-format=bare \

–disk-format=qcow2 –file cirros-0.3.1-x86_64-disk.img

#glance image-show cirros_criado

#glance image-delete cirros_criado

Agora o par de chaves

#ssh-keygen -t rsa -f chave.key

 

#nova keypair-add –pub-key chave.key.pub chave

Finalmente vamos lançar uma instância usando todos os componentes que criamos anteriormente, para isso executamos o comando:

#nova boot –flavor flavor1 –image cirros_hangout –security-groups secgroup1 –key-name chave instancia-cirros

#nova list

#nova show instancia-cirros

Nossa instância já foi criada, porém no ultimo comando podemos perceber que ela está vinculada apenas à nossa rede privada, isso não permite que nossa instância tenha acesso à rede externa, Internet e nem que possamos acessá-la de outro computador. Para resolvermos isso precisamos atribuir um floating IP à nossa instância.

#nova floating-ip-create

#nova add-floating-ip instancia-cirros <IP_CRIADO>

Agora, finalmente podemos conectar por SSH na nossa instância.

 

REST API

Agora vou mostrar alguns exemplos de comandos que podemos executar através da API REST do OpenStack.

Para exemplificar essa interação, utilizei um plugin do Google Chrome chamado Advanced REST Client.

 


LISTAR AS VERSÕES DE API

url: http://192.168.1.46:5000/

método: GET

cabeçalhos:

AUTENTICANDO

url: http://192.168.1.46:5000/v3/auth/tokens

método: POST

cabeçalhos: Content-type : application/json

body:

{
“auth”: {
“identity”: {
“methods”: [
“password”
],
“password”: {
“user”: {
“name”: “admin”,
“password”: “password”,
“domain”: {
“name”:”Default”
}

}
}
}
}
}

Nesse caso você substitui o “admin” e “password” pelo seu usuário e senha, o mesmo que utiliza para logar no Horizon.

VALIDANDO O TOKEN

url: http://192.168.1.46:5000/v3/auth/tokens

método: GET

cabeçalhos: X-Auth-Token: “token de serviço” (aqui vai o token de serviço)

X-Subject-Token: a70f063b60184a1fbd10eaa55d933705 – (aquio token retornado no commando aterior)

 

Obs: O token de serviço pode ser encontrado no arquivo /etc/keystone/keystone.conf no host onde está instalada a sua nuvem ou no arquivo local.conf que você criou ao fazer a implementação do Devstack.

CHECAR O TOKEN CRIADO

url: http://192.168.1.46:5000/v3/auth/tokens

método: HEAD

cabeçalhos: X-Auth-Token: “token de serviço”

X-Subject-Token: a70f063b60184a1fbd10eaa55d933705

 

LISTAR PROJETOS

url: http://192.168.1.46:5000/v3/projects

método: GET

cabeçalhos: X-Auth-Token: “token de serviço”

CRIAR NOVO PROJETO

url: http://192.168.1.46:5000/v3/projects

método: POST

cabeçalhos: X-Auth-Token: “token de serviço”

Content-type : application/json

 

Body:

{
“project”: {
“description”: “description1″,
“domain_id”: “default”,
“enabled”: true,
“name”: “MeuProjeto1″
}
}

CURL

Os mesmos comandos que executamos através do plugin do Google Chrome podem ser executados pelo console de uma estação Linux pelo comando “curl”.

LISTA VERSÕES DE APIS

#curl -i http://192.168.1.46:5000/ ; echo

AUTENTICA

#curl -i -H “Content-Type: application/json”   -d ‘

{ “auth”: {

“identity”: {

“methods”: [“password”],

“password”: {

 

“user”: {

“name”: “admin”,

“domain”: { “id”: “default” },

“password”: “initd”

}

}

}

}

}’ \

LISTA PROJETOS

 #curl -i -H “X-Auth-Token: token-de-serviço” http://192.168.1.46:5000/v3/projects ; echo

DOCUMENTAÇÃO

API Quick Start
Cloud Administrator Guide
Command line reference
API Complete Reference

Agradeço o Sandro do Conacloud que cedeu a matéria e estamos nesta empreitada difundindo a ferramenta. E a nossa parceria como sempre.

Em breve estaremos com uma solução pronta de backup com Openstack.

Introdução ao Openstack

Pessoal

Estarei postando sobre o Openstack.

Ferramenta que houve uma adoção gigantesca na minha opinião e um grande apoio à na comunidade Opensource.

Empresas como HP, IBM, Redhat e até a Vmware estão apoiando.

A Globo trocou a ferramenta VMWARE para Openstack em sua plataforma de vídeos.

Veja o Link do time de DEV da Globo http://dev.globo.com/post/42382440327/openstack-in-a-nutshell#.VSrtvyjF-cE

Recentemente a empresa Paypal trocou a plataforma para Openstack.

Veja 2 links que mostram sobre.

http://www.forbes.com/sites/reuvencohen/2013/03/26/paypal-to-drop-vmware-from-80000-servers-and-replace-it-with-openstack/

https://thiagoviola.wordpress.com/2015/04/11/paypal-troca-vmware-por-open-stack-caso-de-uso/

Abaixo tem um primeiro passo que é conhecer o conceito do Openstack

Eu procuro falar da ferramenta e conhecê-la para dar uma opinião precisa sobre.

Fiquei muito contente que é uma ferramenta que não deixa nada a desejar para ferramentas de adoção Hibrida, ou até criar sua própria nuvem.

Quem conhece linux tem ligeira vantagem no conhecimento da ferramenta.

Para os mais novatos a empolgação em conhecer atropela a história e o conceito e acaba não tendo promoção por só executar e não analisar ambientes.

Não sou “xiita” e defendo boas ferramentas tanto da parte linux quanto da parte Windows ou outras.

Introdução ao OpenStack

O projeto OpenStack é uma fonte plataforma de computação em nuvem aberta para nuvens privadas, públicas e híbridas, que é simples de implementar, altamente escalável, e rico em recursos. OpenStack fornece uma infra-estrutura como uma solução de serviço (IaaS), através de um conjunto de serviços inter-relacionados.

OpenStack foi iniciado em 2010 como uma joint venture entre a Rackspace Hosting eo Aeronautics and Space Administration (NASA). Hoje, mais de 200 empresas aderiram ao projeto, incluindo AMD, Canonical, Cisco, Dell, EMC, Ericsson, grupo Bull, HP, IBM, InkTank, Intel, NEC, Red Hat, SUSE Linux, VMware e Yahoo!

O projeto passou a ser administrado pela Fundação OpenStack, uma entidade corporativa sem fins lucrativos criada em setembro de 2012 para promover o software OpenStack e sua comunidade. A comunidade colabora em torno de seis meses, ciclo de lançamento com base no tempo com marcos de desenvolvimento frequentes.

OpenStack Releases:


O que se segue é um diagrama de arquitetura conceitual que mostra as relações entre os serviços OpenStack:


Visão Geral dos Serviços OpenStack

Keystone

A identidade de serviço OpenStack (Keystone) fornece autorização e autenticação para usuários e também administra catálogos de serviços. É equivalente a AWS Identity and Access Management (IAM).

Glance

O Serviço de OpenStack Armazenamento de imagens (Glance) armazena e gerencia imagens de máquinas virtuais em diferentes formatos.Estas imagens são usadas por serviço de computação em instâncias de prestação. É comparável a AWS AMI (Amazon Machine Image).

Cinder

The Block Storage Service OpenStack (Cinder) fornece armazenamento bloco persistente para máquinas virtuais convidadas para armazenamento expandido, melhor desempenho e integração com plataformas de armazenamento corporativo. É semelhante a AWS EBS (Elastic Block Storage).

Nêutron

O Serviço de Rede OpenStack (Neutron) permite que dispositivos de interface de conectividade de rede gerenciados pelo Compute. Ele permite aos usuários criar e anexar interfaces para as redes. Corresponde a AWS Networking.

Nova

O Compute Serviço OpenStack (Nova) Disposições instâncias sobre a demanda do usuário. Ele suporta a maioria das tecnologias de virtualização. É análogo ao EC2 da Amazon ambiente (Elastic Compute Cloud).

Swift

O Objeto OpenStack Storage Service (Swift) fornece um custo efetivo, scale-out, plataforma redundante, escalável e totalmente distribuído API acessível de armazenamento que pode ser integrado diretamente em aplicativos ou utilizados para backup, arquivamento e retenção de dados. É equivalente a S3 da Amazon.

Ceilometer

A / Monitoring Service OpenStack Metering (Tetômetro) monitores e metros a nuvem OpenStack para o faturamento, benchmarking, escalabilidade e coleta de estatísticas. É comparável a AWS CloudWatch.

Heat

A Orquestração de Serviços OpenStack (Heat) é um mecanismo orientado por modelo que permite infraestrutura automatizada a implantação, tanto através de uma API REST OpenStack-nativel e uma consulta API CloudFormation compatível. É semelhante a AWS CloudFormation.

Comparação de Serviços OpenStack com os serviços da AWS

Este é um post com introdução e a instalação para pequenos ambientes ou ambientes com servidores com Storages.

Quem não tem verba para adoção de Vmware certamente vai direto para esta ferramenta que é fascinante.

Por isso treine seus colaboradores a aprenderem linux.

Não tenha medo e use.

Próximo post será instalação de um nó com mão na massa.

Até mais

OpenStack o futuro da Nuvem privada, hibrida e publica chegou para ficar

 

Computação em Nuvem e Armazenamento com OpenStack

Descubra os benefícios de usar o software livre da plataforma em nuvem OpenStack IaaS

O espaço da plataforma em nuvem de Infraestrutura como serviço (IaaS) é bastante diverso, com soluções bem conhecidas, como Nebula e Eucalyptus. Mas um recém-chegado a esse espaço mostrou um crescimento considerável, não apenas para os usuários, mas para um grande número de empresas com suporte. Conheça a plataforma de software livre OpenStack, e descubra se ela é mesmo o sistema operacional de nuvem de software livre.

 

  • Índice

    A ideia por trás das nuvens e da Infraestrutura como serviço (IaaS) pública definitivamente não é nova. Serviços de nuvem pública, como Amazon Elastic Compute Cloud (Amazon EC2) para serviços de plataforma de computação de alto desempenho, estão disponíveis. O que mudou é o foco na IaaS como meio de computação em nuvem privada para satisfazer a computação corporativa com dados sensíveis. A computação em nuvem privada aplica a ideia da IaaS à infraestrutura privada. Embora isso faça com que as vantagens econômicas das nuvens públicas (serviços de pagamento por uso) sejam perdidas, ela explora os principais princípios da computação em nuvem, com uma infraestrutura flexível e escalável dentro de um datacenter corporativo.

    Vamos começar com uma rápida introdução à IaaS e suas arquiteturas. Em seguida, vamos passar direto para a solução líder de software livre: o OpenStack.

    IaaS e arquiteturas em nuvem

    As arquiteturas de computação em nuvem tendem a se concentrar em um conjunto comum de recursos que são virtualizados e expostos a um usuário sob demanda. Esses recursos incluem recursos de cálculo de capacidade variável, recursos de armazenamento persistente e recursos de rede configurável para vinculá-los e expor condicionalmente esses recursos na internet.

    A arquitetura de uma implementação IaaS (veja a Figura 1) segue este modelo, com a adição de outros elementos, como medição (para dar conta do uso para fins de faturamento). A infraestrutura física é abstraída do aplicativo e do usuário por meio de uma camada de virtualização implementada por uma variedade de tecnologias, incluindo hypervisors (para virtualização da plataforma), redes virtuais e armazenamento.

    Figura 1. Visualização de alto nível da IaaS


    A NASA abandonou o OpenStack?

    Em maio de 2012, a NASA cancelou sua participação no OpenStack, a solução que ajudou a criar com o Rackspace. A NASA não largou o OpenStack, apenas mudou seu papel de desenvolvedor para usuário. O OpenStack possui um número crescente de desenvolvedores e apoiadores (de empresas, como AT&T, IBM, Dell, Cisco, Yahoo! e Red Hat). Por isso, em vez de competir com desenvolvedores comerciais, a NASA será um consumidor do OpenStack. A NASA também anunciou que irá parar com o desenvolvimento do Nebula.

    Embora o OpenStack seja a solução de nuvem de software livre mais popular disponível atualmente, ela definitivamente não foi a primeira. Na verdade, o OpenStack é uma combinação de duas soluções mais antigas desenvolvidas em ambos os setores público e privado.

    Uma solução de IaaS de software livre mais antiga, a Elastic Utility Computing Architecture for Linking Your Programs To Useful Systems (Eucalyptus), foi desenvolvida como um projeto de pesquisa na Universidade da Califórnia, em Santa Bárbara, nos EUA. Outras soluções incluem o OpenNebula (um kit de ferramentas de computação e nuvem de software livre) e Nimbus (outro kit de ferramentas de software livre para nuvens da IaaS). O OpenStack integrou peças da plataforma Nebula da U.S. National Aeronautics and Space Administration’s (NASA) e do projeto Rackspace Cloud Files (armazenamento em nuvem).

    Recém-chegado da computação em nuvem: OpenStack

    O OpenStack é relativamente um recém-chegado no espaço da IaaS, tendo seu primeiro release sido lançado no final de 2010. Apesar da presumida falta de maturidade da solução, e dado que ela existe há menos de dois anos, o OpenStack atualmente é uma das pilhas de nuvem mais usadas. No entanto, em vez de ser uma solução individual, o OpenStack é um conjunto crescente de soluções de software livre (incluindo projetos principais e recentemente desenvolvidos) que, juntos, formam uma pilha de IaaS eficiente e madura.

    Como mostra a Figura 2, o OpenStack foi criado a partir de um núcleo de tecnologias (mais do que é mostrado aqui, mas estes representam os aspectos principais). À esquerda está o painel Horizon, que mostra a interface com o usuário para gerenciar serviços do OpenStack para ambos usuários e administradores. A Nova fornece uma plataforma de cálculo escalável, suportando o fornecimento e gerenciamento de grandes quantidades de servidores e máquinas virtuais (VMs, de maneira hypervisor-agnóstico). O Swift implementa um sistema de armazenamento de objetos escalável e massivo com redundância interna. Na parte inferior estão o Quantum e o Melange, que implementam a conectividade de rede como serviço. Finalmente, o projeto Glance implementa um repositório para imagens de disco virtuais (imagem como serviço).

    Figura 2. Componentes principais e adicionais de uma solução do OpenStack


    Conforme mostrado na Figura 2, o OpenStack é uma coleção de projetos que, como um todo, oferece uma solução IaaS completa. A Tabela 1 ilustra esses projetos com seus aspectos contribuintes.

    Tabela 1. Componentes e projetos do OpenStack

    Projeto

    Component

    Descrição

    Horizon

    Painel

    Painel do usuário e do administrador

    Nova

    Dispositivo de bloqueio/cálculo

    Volumes e servidores virtuais

    Glance

    Serviço de imagem

    Imagens de disco da VM

    Swift

    Storage as a Service

    Armazenamento de objeto

    Quantum/Melange

    Redes

    Redes virtuais seguras

    Outros aspectos importantes incluem Keystone, que implementa um serviço de identidade que é fundamental para nuvens privadas corporativas (para gerenciar o acesso a servidores de cálculo, imagens no Glance e o armazém de objetos do Swift).

     

    Arquitetura do OpenStack

    O OpenStack é representado pelos três projetos principais de software livre (conforme mostrado na Figura 2): Nova (cálculo), Swift (armazenamento de objeto) e Glance (repositório da VM). A Nova, ou o cálculo do OpenStack, permite o gerenciamento de instâncias da VM em uma rede de servidores. Suas Interfaces de programação de aplicativos (APIs) oferecem orquestração de cálculo para uma abordagem que tenta ser agnóstica, não apenas do hardware físico, mas também dos hypervisors. Observe que a Nova oferece não apenas uma API do OpenStack para gerenciamento, mas uma API compatível com o Amazon EC2 para aqueles que estão acostumados com essa interface. A Nova oferece suporte a hypervisors proprietários para organizações que os usam, mas, mais importante que isso, ela oferece suporte a hypervisors, como Xen e Kernel Virtual Machine (KVM), bem como à virtualização do sistema operacional, como Linux. ® Contêineres. Para fins de desenvolvimento, também é possível usar soluções de emulação, como QEMU.

    O Swift, ou o armazenamento de objeto do OpenStack, é um projeto que oferece clusters de armazenamento redundantes e escaláveis usando servidores padrão com discos rígidos de mercadoria. O Swift não representa um sistema de arquivos, mas em vez disso, implementa um sistema de armazenamento de objetos mais tradicional para armazenamento de longo prazo de dados primariamente estáticos (uma modelo de uso de chave é imagem da VM estática). O Swift não possui controlador centralizado, o que melhora a escalabilidade geral. Ele gerencia a replicação internamente (sem Redundant Array of Independent Disks) no cluster para melhorar a confiabilidade.

    O Glance, ou serviço de imagem do OpenStack Image Service, oferece um repositório para imagens de disco virtual que a Nova pode usar (com a opção de estar armazenado com o Swift). O Glance oferece uma API para o registro de imagens de disco, além de suas descobertas e entregas, por meio de uma interface Representational State Transfer (REST). O Glance é altamente agnóstico no formato de imagem de disco virtual, suportando uma grande variedade de padrões, incluindo VDI (VirtualBox), VHD (Microsoft ® Hyper-V®), QCOW2 (QEMU/KVM), VMDK/OVF (VMware) e bruto. O Glance também oferece resumos de verificação da imagem de disco para integridade, controle da versão (e outros metadados), bem como verificação do disco virtual e logs de auditoria/depuração.

    Os principais projetos do OpenStack (Nova, Swift e Glance) foram desenvolvidos no Python e estão todos disponíveis sob a Licença do Apache.

     

    Demonstração do OpenStack

    Com um grande número de projetos independentes que devem ser instalados e configurados para funcionar em conjunto uns com os outros, a instalação do OpenStack pode ser uma tarefa demorada (consulte Recursos para obter mais informações sobre as instalações completas). Mas, para o leitor curioso, há outras opções que podem simplificar muito a instalação do OpenStack.

    Qualquer pessoa que tenha lido alguns de meus artigos anteriores sabe que sou fã das imagens de VM para o uso simplificado de software baseado em Linux. As VMs permitem que você crie com facilidade uma nova instância para testar ou fazer uma demonstração do software. A VM é uma instância autocontida do Linux (às vezes chamada de dispositivo virtual) que pode ser pré-instalada com o software necessário e pré-configurada para seu uso. Nesse sentido, o software de fornecimento simplifica muito seu uso, permitindo que você teste softwares que, de outro modo, seriam difíceis ou demorados para adquirir. Confira Recursos para ver as opções de instalação que servem para as necessidades de seu hardware específico e sistema operacional de base.

    Para essa demonstração, decidi usar o release mais recente do Ubuntu (12.04) e o release Essex do OpenStack. O Essex está disponível como um ISO usando o procedimento de instalação do uksysadmin (veja Recursos). Após uma instalação limpa do OpenStack Essex no Ubuntu Precise, um navegador da web externo deverá poder exibir o painel do OpenStack. A Figura 3 mostra a guia System Panel Images com a imagem da VM guest em dois formatos de contêiner.

    Figura 3. Visualização do painel do OpenStack das imagens guest disponíveis


    A imagem é usada para criar uma instância demo, que, conforme mostra a Figura 4, foi iniciada. Essa instância agora está disponível para uso.

    Figura 4. Visualização do painel do OpenStack das instâncias de cálculo


    Com uma imagem de cálculo agora em execução no OpenStack, posso acessá-lo usando seu endereço IP (172.16.1.1) por meio de uma sessão simples do Shell seguro (SSH) (veja na Listagem 1 a entrada do usuário em negrito).

    Listagem 1. Acessando a instância de cálculo do OpenStack via SSH

    $ ssh -i Downloads/demo.pem ubuntu@172.16.1.1

    A autenticidade do host ‘172.16.1.1 (172.16.1.1)’ não pode ser estabelecida.

    A impressão digital chave do RSA é df:0e:d0:32:f8:6d:74:49:ea:60:99:82:f1:07:5d:3b.

    Tem certeza de que deseja continuar a se conectar (sim/não)? sim

    Aviso: ‘172.16.1.1’ (RSA) permanentemente adicionado à lista de hosts conhecidos.

    Bem-vindo ao Ubuntu 12.04 LTS (GNU/Linux 3.2.0-23-virtual x86_64)

     

    * Documentação: https://help.ubuntu.com/

     

    Informações do sistema desativadas devido ao carregamento maior que 1.0

     

    0 pacotes podem ser atualizados.

    0 atualizações são atualizações de segurança.

     

    Obtenha suporte à nuvem com o Ubuntu Advantage Cloud Guest

    http://www.ubuntu.com/business/services/cloud

     

    Os programas incluídos com o sistema Ubuntu são softwares livres.

    Os termos exatos de distribuição de cada programa estão descritos

    nos arquivos individuais em /usr/share/doc/*/copyright.

    O Ubuntu NÃO VEM COM ABSOLUTAMENTE NENHUMA GARANTIA,

    dentro da máxima extensão permitida pelas leis aplicáveis.

     

    Para executar um comando como administrador (usuário “root”), use “sudo <command>”.

    Veja “man sudo_root” para obter detalhes.

     

    ubuntu@demo1:~$

    ubuntu@demo1:~$ nome do host

    demo1

    ubuntu@demo1:~$ ps

    PID TTY TIME CMD

    835 pts/0 00:00:06 bash

    948 pts/0 00:00:00 ps

    ubuntu@demo1:~$

    Com todas essas camadas em execução, pode ser difícil visualizar o que está acontecendo. A Figura 5 ilustra a pilha inteira e provavelmente ajudará a resolver seu mistério. Nesta demonstração, um Mac operando com o Mac OS X oferece a plataforma base. O VirtualBox opera em um Mac OS X, fornecendo a plataforma para a execução do OpenStack (sendo executado no Ubuntu Linux). Observe que o VirtualBox é um hypervisor do tipo 2. Dentro da camada do OpenStack no Linux, QEMU é usado como o hypervisor guest, o que é ideal da perspectiva de hardware de mercadoria, mas que não possui o desempenho necessário nas instalações reais de produção.

    Figura 5. Pilha de demonstração do OpenStack sendo executada no hardware de mercadoria


    Sem o suporte para a virtualização aninhada (executando de maneira eficiente um hypervisor em cima de outro hypervisor), confio no QEMU para ser meu hypervisor guest operando no OpenStack. Isso me permite executar uma VM guest em um hypervisor guest, executando em um hypervisor do tipo 2. Embora essa configuração possa ser lenta, ela demonstra completamente uma pilha IaaS sendo executada em um sistema de computador de mercadoria. Observe que, atualmente, certos processadores AMD oferecem uma maneira eficiente de suportar a virtualização aninhada.

    Embora usar QEMU não seja ideal da perspectiva do desempenho, ele é altamente compatível com o KVM (Linux como hypervisor) e, portanto, é simples migrar entre os dois hypervisors (além das imagens da VM serem compatíveis com ambos). O que torna o QEMU ideal nesse caso é que ele pode ser executado em hardware que não forneça suporte à virtualização. Observe que minha plataforma neste exemplo é compatível com virtualização, mas como estou executando no VirtualBox (um hypervisor em si mesmo), a falta da virtualização aninhada me obriga a usar um hypervisor guest que não dependa de extensões de virtualização. Em qualquer caso, eu uso libvirt para gerenciar as VMs (iniciar, parar, monitorar e assim por diante), desse modo, a migração para KVM em hardware compatível com virtualização é tão simples como uma modificação de duas linhas em um arquivo de configuração do OpenStack.

     

    Outras maneiras de usar o OpenStack

    Se você não tem um cluster próprio, há outras opções para aproveitar os benefícios do OpenStack. O Rackspace, um dos criadores do OpenStack, está oferecendo o que ele espera que seja o Linux da nuvem. A plataforma de nuvem OpenStack do Rackspace fornece os benefícios do OpenStack com a flexibilidade e a escalabilidade da infraestrutura de nuvem pública.

    Para simplificar a instalação do OpenStack para nuvens privadas, diversas empresas se concentraram em facilitar o uso do OpenStack dentro de seu cluster privado. Empresas como Piston Cloud Computing oferecem o Piston Enterprise OS, um sistema operacional em nuvem privada com base no OpenStack. O Mirantis oferece serviços profissionais para que as empresas desenvolvam uma infraestrutura do OpenStack.

     

    O que vem depois para o OpenStack?

    O OpenStack continua a integrar novas funcionalidades, elevando a barra na definição de uma solução IaaS. Vários outros projetos sob o guarda-chuva do OpenStack estão disponíveis, mas ainda há outros em processo de desenvolvimento. O projeto Keystone oferece um serviço de identidade que unifica a autenticação de componentes do OpenStack enquanto se integra a sistemas de autenticação existentes. Também há projetos de comunidade para o balanceamento de carga como serviço (Atlas-LB), um sistema de manutenção e instalação de nuvem (Crowbar), um banco de dados relacional escalável e fornecido por nuvem (RedDwarf), uma API baseada em REST para orquestração de nuvem (Heat) e uma ferramenta de gerenciamento de nuvem que abrange monitoramento, faturamento e mais (Clanavi). Vários outros projetos estão em desenvolvimento dentro e fora do projeto OpenStack, e essa lista cresce a cada dia conforme o OpenStack se desenvolve dinamicamente.

    O OpenStack não está sem concorrentes, pois os projetos mais antigos continuam a ser desenvolvidos e novos projetos aparecerão. Por exemplo, o CloudStack (primeira versão de 2009) possui várias instalações de produção, mas não tem o nível de suporte do contribuidor do software livre que pode ser encontrado no OpenStack.

     

    Indo além

    De maneira semelhante ao modo como o Linux foi desenvolvido em um sistema operacional para todos os fins que serve para todos os modelos de uso, o OpenStack está indo nessa direção para representar o sistema operacional em nuvem. Em vez de gerenciar um conjunto limitado de núcleos e recursos locais, o OpenStack gerencia uma rede massiva de servidores que contêm recursos de cálculo e armazenamento, junto com a rede virtual que os mantêm unidos.

    Desde seu primeiro release no final de 2010 (Austin), o projeto OpenStack lançou mais quatro versões, sendo a última delas em abril de 2012 (Essex). Com cada release, o OpenStack continua a estimular funcionalidades novas e melhoradas, subindo o nível das outras soluções IaaS. Agora, sob o guarda-chuva do Apache, não é de surpreender que o OpenStack seja o padrão das pilhas de nuvem.

    Recursos

    Aprender

  • O website oficial do OpenStack é fonte exclusiva de informações sobre a família de projetos OpenStack, notícias sobre os projetos da comunidade, documentações e tudo mais relacionado ao OpenStack.
  • Computação em nuvem com Linux (M. Tim Jones, developerWorks, fevereiro de 2009) é uma introdução à computação em nuvem e seus temas diversos (IaaS, Plataforma como Serviço, Software como Serviço), com um ângulo direcionado para as opções baseadas em Linux.
  • Anatomia de uma nuvem de software livre” (M. Tim Jones, developerWorks, março de 2010) apresenta a anatomia da computação em nuvem pela perspectiva do software livre. Este artigo apresenta a arquitetura do nó, a arquitetura do cluster e as tecnologias de software livre que implementam esses requisitos.
  • Anatomia de uma infraestrutura de armazenamento em nuvem (M. Tim Jones, developerWorks, novembro de 2010) explora a parte interna de uma infraestrutura de armazenamento em nuvem, incluindo a arquitetura geral, o gerenciamento, o desempenho, a escalabilidade e a disponibilidade. O artigo também explora os modelos de armazenamento em nuvem – privado, público e híbrido.
  • O OpenStack não é um projeto individual, mas um guarda-chuva que abrange uma variedade de projetos que, em conjunto, implementam uma nuvem escalável e confiável. Os principais projetos do OpenStack incluem NovaSwiftGlance. Há dois projetos ainda em desenvolvimento (que em breve também serão projetos principais). São eles: KeystoneHorizon. Finalmente, há diversos projetos da comunidade que ampliam ou adicionam funcionalidades ao OpenStack, incluindo QuantumMelangeAtlas-LBCrowbarHeateClanavi.
  • Instalação passo a passo do OpenStack fornece uma introdução completa à instalação do OpenStack para aplicações de produção.
  • Há diversas opções para usar o OpenStack no contexto de uma VM (nas diversas versões do OpenStack, incluindo a tecnologia completamente nova). Confira o DevStack (dos desenvolvedores de nuvem do Rackspace), Running OpenStack Compute (Nova) do OpenStack em um ambiente virtual, e na gravação do Blog de Arquitetura e Administração do Sistema da instalação do OpenStack Essex no Ubuntu 12.04 em VirtualBox (usei este exemplo para a demonstração).
  • Se você precisar de ajuda profissional com uma nuvem privada do OpenStack, há diversas empresas que podem fornecer esse tipo de suporte. Duas delas são: Piston Cloud Computing e Mirantis.
  • CloudStack é uma pilha concorrente do OpenStack. Ela possui diversas instalações de produção.
  • Nos recursos de desenvolvedor da nuvem, descubra e compartilhe o conhecimento e a experiência dos desenvolvedores de aplicativos e serviços que estão criando os seus projetos de implementação de nuvem.
  • Siga o developerWorks no Twitter. Também é possível seguir este autor no Twitter em M. Tim Jones.
  • Acompanhe Demos do developerWorks que abrangem desde demos de instalação e configuração de produtos para iniciantes até funcionalidades avançadas para desenvolvedores experientes.