Arquivo da categoria: Cloud

Programa MVP e MVP Reconnect

mvp

reconnect

Quando comecei a postar na internet no Blog do WordPress, redes sociais e outros meios eletrônicos, foi uma maneira de guardar todos projetos que já trabalhei diretamente e indiretamente.
Foi tudo de maneira sem compromisso nenhum, mas todas as vezes que iniciava um projeto de alguma maneira eu tinha um histórico genérico, rico e com detalhes.
Alias a gente não guarda nada na cabeça, tem que registrar em algum lugar.
Trabalhando sempre com linux vi uma oportunidade de aprender Microsoft e também melhorar a carreira pois o mercado de TI muda muito com o tempo.

O blog começou a bombar, aprendi, comecei a dominar e ainda domino varias ferramentas, Windows Server, Exchange, SharePoint, System Center dentre outras, depois veio nuvem AWS, BPOS que se tornou Office 365, e agora esta uma gigante suite impressionante, e veio o Azure no qual me identifiquei na hora.
Nesta época de Office 365 e inicio do Azure comecei a utilizar o forum technet e me interessar e ajudar nas respostas na comunidade e também participar de vários eventos. Afinal era o que pagava meu salario e me interessava muito SaaS e Cloud. Comecei a me interessar pelo programa MVP em 2012 e fui me inscrevendo mesmo não sabendo realmente o que o programa era.

Em resumo o programa é destacar profissionais com conhecimento técnico elevado, evangelizar a ferramenta ou serviço que você domina e ajudar a comunidade técnica. Em outro olhar mais detalhista é também divulgar comercialmente ferramentas e serviços da Microsoft pois você está a frente de uma gigante do mercado de tecnologia queira ou não vendendo seu peixe indiretamente ou não, por uma parceira, com a sua empresa ou em um grande player de mercado.

Entrar no programa MVP demorou pelo fato de tecnicamente estar crescendo naturalmente, mas também foi tão legal entrar pois estava no auge da maturidade profissional e técnica. Repetindo, veio naturalmente.

Continuei com meus posts, agreguei valor com webcasts e apresentações mais contundentes pois tinha informações quentes da fonte (Microsoft) isso ajuda. Ainda mais quando o interesse investigativo meu sempre foi ao nível hard.
Cresci profissionalmente, virei professor de CLOUD e depois de CLOUD AWS. Coisa que nunca pensei em ser. Me deu prazer.

Ser MVP também te traz algumas responsabilidades, de atender o programa e estar bem ativo, atender a comunidade na medida do possível. Isso é um requisito que no meu conceito não pode se perder. Como eu disse tudo que fiz na vida foi tudo com busca em em um equilíbrio. Dependendo do seu crescimento profissional, pessoal isso precisa pesar na balança pois o tempo é primordial.

O programa teve algumas mudanças, fiquei 3 anos no programa e agora o ciclo de MVP se encerra. Mas a Microsoft devido o numero de MVPs ser grande criou um outro programa que é o MVP Reconnect, que é uma forma de ainda agregar valor e continuar com os MVPS no radar.

Outro ponto é que o programa você pode retornar a titular do programa, onde eu desconhecia e isso é relevante.

Continuarei a realizar meus posts, webcasts e apresentações como nunca parei, desde antes de ser MVP e agora como MVP Reconnect. Nem se não fosse continuaria.

O mais legal do programa não é o programa é o network que você constrói, as amizades, os trabalhos que são gerados, as aulas que são dadas, os eventos que são realizados e no fim deles as risadas dadas, o quanto que você evoluiu na carreira.

Não estou chateado, pelo contrario estou feliz por que impactei “gigantemente”, o numero de views, acessos impressionantes, que nunca pensaria ou imaginaria que chegaria.

As organizações estão mudando muito, as profissões estão mudando muito, os ciclos se encerram e novos vem para você nunca ficar na mesmice.

Vou ao MVP Reconnect com muito prazer e sem vergonha.

A comunidade que atendo sempre estaremos juntos

Até mais.

Quadrante 2017 vs 2018 Nuvem

0 As corporações estão mudando a mentalidade sobre Cloud.

Esperam confiabilidade, escala, capacidade de manutenção e melhor suporte, não estão adotando a nuvem pública para recursos como autoatendimento, pagamento por uso, automação de acordo com o relatório do Gartner.

CenturyLink, Fujitsu, Interoute, Joyent, Rackspace, NTT Communications, Skytap e Virtustream foram retirados. Todos esses fornecedores falharam em fornecer os recursos técnicos relevantes para o Gartner, que são baseados no suporte a cargas de trabalho de produção em larga escala e de missão crítica, sejam corporativas ou nativas em nuvem.

O Amazon AWS é um líder indiscutível da nuvem pública. Sua plataforma de nuvem é madura, comprovada e confiável, tornando-se uma opção segura para empresas. Os clientes devem estar cientes do fato de que é fácil começar a usar o AWS, mas otimizá-lo para obter desempenho e o custo está se tornando cada vez mais complexo.

O forte comprometimento da Azure com os serviços em nuvem da Microsoft foi recompensado com significativo sucesso de mercado, o que a torna uma alternativa viável à AWS. A adoção do Linux e das tecnologias de código aberto da Microsoft, combinadas com o software do Azure Stack, está atraindo clientes corporativos para o Azure.

O Google Cloud finalmente chegou ao cobiçado quadrante de liderança. No entanto, tem que fechar a lacuna com os dois principais concorrentes. O fator de diferenciação do Google está em seus profundos investimentos em análise e ML

O Alibaba Cloud, antes confinado ao mercado da China, agora se qualifica como provedor global de nuvem de hiperescala, com seus centros de dados de Cingapura e Índia.

Mais informações acesse o site do gartner https://www.gartner.com/en

Valeu pessoal

Projeto Honolulu – Gestão do Windows via web.

20180324_153614910216901548475097.jpg

Você terá a capacidade controlar totalmente a infraestrutura do servidor, permitindo que você os gerencie de qualquer lugar com o Microsoft Edge ou o Google Chrome. Vamos seguir passo a passo para implementá-lo.

O Projeto Honolulu ainda está em pré-visualização técnica (mas em breve!), Aqui estão as suas capacidades atuais:

  • Exibindo recursos e utilização de recursos
  • Gerenciamento de Certificados
  • Visualizador de eventos
  • File Explorer
  • Gerenciamento de Firewall
  • Configurando usuários e grupos locais
  • Configurações de rede
  • Exibindo / finalizando processos e criando despejos de processo
  • Edição do Registro
  • Gerenciando os Serviços do Windows
  • Ativando / desativando funções e recursos
  • Gerenciando VMs do Hyper-V e Comutadores Virtuais (Que vida)
  • Gerenciando Armazenamento
  • Gerenciando o Windows Update

Existem 3 opções para implantar o Microsoft Project Honolulu da seguinte forma:

101017_2308_STEPBYSTEPI2

Eu vou usar a opção 2 para implantar o Microsoft Project Honolulu. Projeto Honolulu requer recursos PowerShell que não estão incluídos no Windows 2012 e 2012 R2 Server, você precisa seguir as etapas para instalá-lo se você estiver usando o Windows 2012 e Windows 2012 R2 como um gateway de projeto Honolulu ou nó gerenciado.

Para Windows Server 2016 não requer os pacotes pois já fazem parte.

Este LAB é com Windows Server 2016.

Registre e baixe o software do Projeto Honolulu no seguinte link:

https://www.microsoft.com/pt-br/evalcenter/evaluate-windows-server-honolulu

honolulu01

3. Faça logon no servidor gateway.

4. Abra o PowerShell e execute o cmdlet a seguir para garantir que o Windows Management Framework 5 ou superior seja carregado.

honolulu02

Vamos instalar?

honolulu03

Na instalação ele vai gerar um certificado temporario a você ou se você tiver um certificado valido já pode instalar direto.

Certifique se a porta 443 é a ideal para você acessar de fora da sua rede, geralmente para acesso de fora usam NAT ou outra porta.

Aqui irei manter a porta 443.

honolulu04

Prossiga com a instalação

honolulu05

Como estamos com uma maquina virtual no Azure libere para acesso externo no NSG (Network Security Group).

honolulu06

Porta liberada vamos la

honolulu07

Finalizado a instalação vamos as configurações.

Você vai acessar https://localhost ou http://127.0.0.1 ou https://iplocaldamaquina

Para instalação via Powershell:

msiexec /i <HonoluluInstallerName>.msi /qn /L*v log.txt SME_PORT=<port> SSL_CERTIFICATE_OPTION=generate

Com certificado próprio:

msiexec /i <HonoluluInstallerName>.msi /qn /L*v log.txt SME_PORT=<port> SME_THUMBPRINT=<thumbprint> SSL_CERTIFICATE_OPTION=installed

honolulu08

Que lindo já esta no ar.

 

honolulu09

Liberamos a porta 443 no Azure, de fora ele pedira autenticação oviamente pelo administrador local cadastrado na instalação do Windows.

honolulu10

Veja que só tem a maquina que eu instalei, mas é possivel como server manager gerenciar as maquinas da sua rede ou datacenter.

Realmente a Microsoft se superou com o Porjeto Honolulu.

Para Windows Server 2012 tem alguns passos a mais

  1. Faça o download e instale o WMF 5.1 para o Project Honolulu Gateway ou o nó gerenciado (é necessário o servidor de reinicialização).

Faça o downloads do pacote abaixo para que instale o pacote do honolulu https://www.microsoft.com/pt-br/download/details.aspx?id=54616

 

honolulu11

Para acessar a maquina ele irá pedir as credenciais. Se você tiver Domain Controle, faça a autenticação com o usuário do domínio.

honolulu12

Veja que praticamente o que você fazia via RDP via web você fará com muita facilidade.

Eu vejo que uma das grande vantagens é gestão de maquinas do Hyper-V, tudo isso via Web.

Um projeto legal é instalar um servidor com Honolulu e ele ser o JumpServer por Network ou por barramento de network. Isso melhora a segurança dos acessos e a concessão mais centralizada.

Em compliances de auditoria e segurança da informação melhora as não conformidades pois você não acessara o servidor no sistema operacional.

honolulu13

Veja do que o Honolulu é capaz.

Pessoal espero que eu tenha contribuído com as comunidades com este post.

Não esqueçam do MVPConf dia 06 e 07 de Abril aqui em https://www.mvpconf.com.br/

 

 

 

Microsoft MVP Conference – #mvpconf

Olá pessoal,
Nos dias 6 e 7 de Abril desde ano, acontecerá na UNIP Taubaté São Paulo o maior evento presencial de experts Microsoft do Brasil – www.mvpconf.com.br, vou tentar enumerar as 5 razões de qualificar como o maior evento de expects e impulsar sua curiosidade para realizar sua inscrição agora:

1. Da comunidade para a comunidade técnica: Primeiro evento técnico presencial organizado por MVPs do Brasil – ainda não sabe o que é MVP? dá uma clicada aqui;

2. Networking: São mais de 70 MVPs do Brasil envolvidos nesse evento, teremos 7 profissionais da Microsoft no Keynote. Já imaginou se conectar pessoalmente com todos presencialmente? Veja quem são:

KEYNOTES:

image

PALESTRANTES:

Palestrantes_mvpconf

3. Ajudar o próximo diretamente: Talvez seja, se não o primeiro evento com taxa de inscrição 100% doada para APAE que você participa diretamente com sua contribuição;

4. Dev e Infra no mesmo evento: São 10 diferentes trilhas, você poder interagir com profissionais de diferentes áreas de atuação. Essa é a transformação digital que todas as empresas estão buscando, como falar com desenvolvedores, profissionais de IT e entender como sinergia dessas áreas em Cloud é fundamental;

palestras_blog

5. Sério que você ainda precisa de uma 5ª razão? ok, a 5ª razão é ‘UP na sua carreira’, pense na sua carreira e o quão é importante o aprendizado constante + razão n.2  – foi em eventos assim que eu comecei minha jornada e você como começará a sua?;

FAÇA SUA INSCRIÇÃO PELO SYMPLA: https://www.sympla.com.br/microsoft-mvp-conference__246657

Post gentilmente cedido pela MVP Sara Barbosa em https://sarabarbosa.net/2018/03/20/microsoft-mvp-conference-mvpconf/

Profissões em transformação

 

Olá pessoal.

Quando comecei a trabalhar em arquitetura tive muito contato com a área de desenvolvimento, programação e novas tecnologias.

Com a transformação digital na boca de cada pessoa de TI perpetuando e ecoando a até ficar chato de tanto ouvir umas das transformações que vi.

Antigamente chamavam de consultor, algumas empresas ainda chamam. Outras chamam de pré-vendas. Mas o que mas tem se falado. Veja abaixo:

Arquiteto: Um arquiteto de solução, de cloud ou de software ou de infraestrutura é o cara que necessariamente esteve na linha de frente de um desenvolvimento de software ou aruando em infraestrutura por muito tempo e naturalmente evoluiu na area, atua primariamente na construção de solucões baseadas nas necessidades do negócio, fazendo uso dos serviços e recursos tecnológicos já existentes na empresa. Outro objetivo é o de alinhar novas solucões aos princípios arquiteturais já definidos, respeitando os padrões e integrações da empresa. Ele é o elo entre a área de negócios e a área de implantação e projetos atuando no desenho do projeto. Em alguns casos ele atua em pocs (provas de conceitos) e atua captando melhorias contínuas.

O velho e bom cara de ITPro tem se transformado.

Devops: É o novo e transformado ITPro. Além dele melhorar a produtividade automatizando ambientes tradicionais de virtualização ele é o cara que coda é desenvolve código para scripts e orquestração para subir ou realizar deploys de infra como serviço é plataforma como servico. Seja ela em AWS ou Azure ou Openstack ou Vmware ou HyperV ou Linux. Desde que orquestre, use serviços que automatize o ambiente que ele esteja proposto a fazer. Em resumo ele coda em infra.

DesignUX: User eXperience. É o cara que vai realizar os testes de experiência de um usuário. Exemplo: Ele vai pegar um celular e testar o App que foi desenvolvido e sentir o que o usuário sente e ver se ficou bom ou ruim. É um papel preponderante de o App vai ter sucesso ou não. Veja como é fácil de usar Whatsapp e Facebook. Um DesignUX realmente fez o teste antes de sair a atualização para a massa.

Developer Frontend: É o cara responsável pela interfaceweb. Ele projeta e constroi e otimiza toda frente de desenvolvimento. Em resumo HTML, Javascript, CSS, webstandard, aplicação de SEO (Search OFF Engine). Obviamente este cara tem que manjar de programação e ele tem facilidade em desenvolver com um viés de design.

Developer backend: É o cara por traz das “cameras”, ele que faz as ligações do que o Frontend projetou. Interage o que o é coletado recebendo os dados programando regras de negócios, api realizando scripts e códigos um pouco mais complexos com conexões para banco de dados e ligações tambem com outros sistemas e webservices.

Fullstack developer: Bem, este é o cara, ele trata tanto do frontend como também o que o backend faz. É o cara mais completo.

Hoje em ambiente Ágil tem se dividido muito as tarefas de desenvolvimento por isso que as tarefas de desenvolvedores ficaram mais segmentadas.

Empresas maiores estão nesta mudança. É também tem se dividido e segmentado justamente pela agilidade na entrega.

Uma pitada de segurança neste meio tem o tester ou robôs que analisam o codigo que o front e o back desenvolveram e aplicam na camada para achar vulnerabilidades para que os mesmos possam melhorar e entregar os projetos com seguranca.

As corporações contratam empresas pentesters ou sistemas baseados em OWASP.

Um dos meus favoritos é da Qualys. https://www.qualys.com/

Analista de Segurança da Informação: Este irei resumir bastante mas muito é uma peça chave. Ele analisa os riscos dentro de um compliance, garante a confidencialidade, a integridade e a disponibilidade dos dados da empresa.

Dentro de segurança da informação temos a área ativa onde a atuação pelo nome já se fala por si mesma, na atuação de firewalls, pentest, vulnerabilidades e atuação na segurança dos dados.

A segurança passiva é mais nos compliances da corporação garantindo a políticas, plano de continuidade e toda documento criada seja cumprida dentre os funcionários e fornecedores respeitem.

Claro que tudo que mencionei pode mudar daqui 3 ou 4 anos.

Os níveis de conhecimento garantem que o RH segmente salarios e beneficios de dentro das políticas de cargos Junior, pleno e sênior de cada corporação.

Espero que tenha esclarecido em minhas palavras as profissões em transformação.

Até mais pessoal

Blockchain! O que é? Já é o presente?

blockchain

O blockchain deve passar a atrair mais empresas em 2018. Principalmente por serem redes fechadas, em que a gestão da identidade digital é feita de forma mais segura. As provedoras das redes para diferentes setores precisarão hospedar seus dados em múltiplos locais, de forma distribuída, para garantir baixa latência. Este tipo de ambiente é encontrado dentro de ecossistemas como Datacenters e Nuvens com AZURE, AWS e Google. Cuja plataforma global pode dar suporte a redes distribuídas por todo o mundo.

O Azure oferece o serviço como AZURE BLOCKCHAIN SERVICES.
https://azuremarketplace.microsoft.com/pt-br/marketplace/apps/microsoft-azure-blockchain.azure-blockchain-service?tab=Overview

A AWS oferece através de parceiros.
https://aws.amazon.com/pt/partners/blockchain/

O que afinal é o Blockchain?

Blockchain, em sua essência, é simplesmente uma nova tecnologia de rede de distribuição de informações, com algumas propriedades especiais, como:

  1. Sem um único administrador, baseia-se em um modelo de confiança compartilhada entre usuários, totalmente descentralizado.
  2. Os registros não são atualizáveis, assim não há como alterar transações realizadas. Ele permite apenas inclusões.
  3. Tem um único esquema lógico (virtual) global que é armazenado por meio de várias cópias físicas distribuídas.

Redes públicas ou privadas?

A principal diferença entre o blockchain público e privado é o mecanismo de consenso. No público, os usuários não se conhecem, portanto, o nível de confiança é baixo, necessitando uma sobrecarga computacional maior. Assim, a verificação ou validação de cada transação é bastante alta e demorada.

Veja a arquitetura basica

blockchain_arquitetura_basica_de_entendimento

Já na conexão privada, a confiança é maior, pois é baseada na permissão de acesso. É possível fazer uso de algoritmos compartilhados mais simples e rápidos. Como resultado, em vez de algumas transações por segundo, é possível fazer milhares delas.

Além disso, em blockchains privados, os registros das transações podem ser criptografados e estão disponíveis apenas para as partes autorizadas, o que, por sua vez, ajuda a satisfazer os requisitos de privacidade dos participantes.

Como a tecnologia está sendo usada hoje?

O uso do blockchain vem sendo feito basicamente das seguintes formas:

  1. Como meios de distribuição de criptomoedas, como Bitcoin.
  2. Como uma plataforma (autorizada) para trazer benefícios de custo e eficiência nos processos de negócios das empresas.
  3. Como ferramenta para garantir integridade e segurança de dados. 

Quais os benefícios para os usuários?

Os usuários estão estudando seriamente a tecnologia blockchain em verticais como supply chain, trading e mercado financeiro, governo e no segmento de health care. Eis a razão:

  • Manutenção de registros inalteráveis: agências governamentais e empresas estão interessadas em manter o controle de dados, com a garantia de não serem alterados.
  • Utilização da ferramenta para denuncia de notícias falsas que circulam pela internet.
  • E- Voting: na Estônia, por exemplo, a tecnologia blockchain já é utilizada pelo governo para computar votos eletrônicos.
  • Desenvolvimento de um marketplace descentralizado, alimentado por um livro-caixa distribuído, escalável e em tempo real.
  • A adoção de criptomoedas está ganhando impulso à medida que mais empresas de grande porte passaram a aceitar criptomoedas. Uma das vantagens é a possibilidade de operar em nível de microcentavo, dispensando arredondamentos. No entanto, as redes de blockchain públicas apresentam problemas, como invasões, por exemplo.
  • Eliminação do intermediário: hoje, as transações financeiras que cruzam as fronteiras entre países passam por intermediários que acrescentam custos e retardam a circulação. O blockchain elimina intermediários, com transações mais rápidas, seguras e menos dispendiosas.

Então qual será o futuro?

“Varias empreas acompanham de perto as tecnologias blockchain e seu funcionamento para que seus clientes possam otimizar sua utilização dentro das operações de TI e modelos de negócios”. Inicialmente, o uso do blockchain pelas empresas tem acontecido com o intuito de completar os sistemas de TI existentes, sem, no entanto, adotá-lo em seus principais processos corporativos.

O CSA (Cloud Solution Architecth) Guru do Blockchain em Azure Rudnei Oliveira deu seu depoimento na integra.

Perfil do Rudney Oliveira https://www.linkedin.com/in/rudnei-r-oliveira-69443523/

Blockchain surgiu como tecnologia de base para cryptomoeda e logo perceberam que ela poderia ser extremamente poderosa para controle e fluxos de processos e aprovações, também chamado de “smart contracts”, pois remove a centralização do poder e descentraliza as operações. Isso tudo é fantastico, mas o mercado corporativo ainda está aprendendo a aplicar a tecnologia e tirar melhor proveito dela. No Brasil já há grandes Bancos testando a tecnologia e poucas empresas tentando colocá-la em prática nos negócios.

Minha opinião pessoal

Eu acredito que se fosse aplicados Blockchain como exemplo em cartórios, com validações de documentos, com a digitalização seria primordial e traria uma agilidade maior e integração com órgãos públicos como DETRAN.

A adoção do blockchain não envolve apenas integração da tecnologia à uma infraestrutura de TI, mas trata-se de um negócio que também está mudando processos internos. É preciso que a organização perceba o que a tecnologia pode fazer pelo seu negócio e o potencial do valor agregado. “Isso ainda pode consumir vários anos em um processo de tentativa e erro”.

É certo que, em breve futuro, as empresas estarão envolvidas em múltiplas redes de blockchain (por exemplo, supply chain, finanças etc.) e vão querer que seus negócios estejam localizados próximos de seus parceiros ou em Cloud Publica que dará  facilidade. Neste sentido, a alta densidade de rede e cloud da plataforma e marketplace serão importantes ferramentas para a adoção do blockchain, tanto para fornecedores, quanto para empresas.   Principalmente em um cenário em que empresas passem a atuar com diferentes modelos contratuais, mas queiram garantir a legitimidade do acordo entre ambas partes.

Fontes: Rudnei Oliveira (Microsoft), Laila Almeida (Impressi PNI).

Simularemos em Breve Blockchain no Azure.

Até mais pessoal

 

 

 

O que é o Rancher? Deploy no Azure.

Olá pessoal

Hoje irei orientar como realizar o deploy do Rancher no Azure.

Mas você sabe o que é o Rancher?

Rancher

O Rancher é uma plataforma opensource de gerenciamento e gestão de contêiner docker. Ele faz muito bem o chamado deploy e orquestração tanto local, em ambiente onpremissess e movimentação e gestão de contêiner com Azure, AWS, Digital Ocean, dentre outras.

Levante Kubernetes em minutos

A instalação do Docker e Kubernetes requer muitos elementos: drivers para armazenamento e rede, monitoramento, segurança, RBAC e muito mais. No entanto, instalá-los usando Rancher é realmente fácil. Simplesmente, adicione um novo ambiente. Rancher irá guiá-lo através do processo de anexar hosts locais ou baseados na nuvem, bem como instalar e configurar todos os componentes para você.

Veja a arquitetura de gestão do Rancher

container-management

 

Leia o resto deste post

Curso de Docker parte 01

curso_docker_01

 

Olá pessoal

Voltando de férias e vamos para um 2018 melhor que 2017, e que seja pior para 2019.

2017 foi sensacional e agora um curso totalmente gratuito e que ajude vocês em 2018.

O formato será diferenciado.

Quero tratar com carinho este curso.

Fiquem a vontade para perguntas e estarei disponível.

OUÇA O PODCAST

O curso terá um podcast com áudio para dar interatividade e dentro do curso alguns videos de instalações e comandos.

Eu quis fazer neste formato diferenciado pois só vídeo não é tão interativo.

Ouvir o áudio, ver os conceitos e comandos no blog e interagir com o vídeo será mais completo.

Acredito que no formato com podcast, blog e vídeo é mais interessante pois dará a expectativa de assimilar melhor e dar mais interatividade.

Muita gente tem que olhar o video ou parar varias vezes para que assimile o comando ou consiga entender.  Então em formato PODCAST,  e VIDEO entendo que será excepcional.

Espero que gostem.

A primeira parte é conceitual e é importante a parte conceitual pois é a essência do conhecimento.

Os livros que me baseei são estes.

 

Acredito que são essenciais para quem vai aprender os comandos e ter o conceito gravado.

https://www.casadocodigo.com.br/products/livro-docker
https://novatec.com.br/livros/primeiros-passos-docker/
https://novatec.com.br/livros/aprendendo-docker/

O que é necessário para aprender docker:

Eu acredito piamente que pelo menos ter familiaridade com console linux

  • Debian ou Ubuntu
    Centos ou Fedora

São distribuições fáceis de usar e o repositório de pacotes são fáceis de manipular

Obviamente os pacotes .deb para Ubuntu e Debian e os pacote .rpm para Centos e Fedora.

Familiaridade com comando yum para os pacotes RPM e apt para pacotes .deb.

Saber compilar pacotes .tgz no linux.

CONCEITO:

Afinal o que é docker:  Nas minhas palavras é isolar um serviço ou enjaular usando container (chroot) usando uma base do kernel do sistema operacional linux e também Windows. O Windows Server 2016 também tem uma parceria e tem nativo docker.

Mais conceitual e importante ter o conceito pois o Docker já existe algum tempo mas desde 2008 ganhou popularidade.

Você empacota a aplicação web desenvolvida ou um serviço em um CONTÊINER (Pasta) e leva para qualquer maquina fisica, qualquer maquina virtual, qualquer ambiente virtual, qualquer nuvem (AZURE, AWS, Google Cloud Platform).

O que eu considero, é uma plataforma (PaaS).

Foi feito para aplicações inteligentes, de fácil crescimento e elasticidade. É preciso saber que nem toda aplicação tradicional precisa ser estudada e arquitetada, ou reescrever-la para que funcione em arquitetura de Docker.

Muita gente confunde que é virtualização de sua aplicação, apesar de ele funcionar virtualizado o conceito é isolar sua aplicação em um CONTÊINER.

Segundo o livro aprendendo linux pagina 25

LXC (Linux Container) exitem desde o kernel 2.6.26, que foi distribuído a partir de julho de 2008, vem por meio de sua arquitetura baseada em API, utilização de imagem por camada com a técnica de copia e gravação.

É um sistema operacional GUEST compartilhando recursos do KERNEL do sistema operacional hospedeiro.

Utiliza o CGROUP (CONTROL GROUPS), preste atenção pois isso faz parte do conhecimento de linux veja em https://access.redhat.com/documentation/pt-br/red_hat_enterprise_linux/6/html/resource_management_guide/ch01.

Veja que para aprender Docker precisa ter pelo menos oconhecimento dos comandos de linux.

Resumindo o control groups do linux é um recurso do kernel do linux obviamente responsável por isolar os recursos como rede, memoria, disco e cpu.

NAMESPACE: é a funcionalidade que permite definir uma área. Leia aqui e fique a noite lendo assim a assimilação é mais interessante para ter o conceito https://access.redhat.com/documentation/pt-br/red_hat_enterprise_linux/6/pdf/resource_management_guide/Red_Hat_Enterprise_Linux-6-Resource_Management_Guide-pt-BR.pdf

Veja que os detalhes são grandes.

OBS: Não aprenda antes rancher swarm e kubernetes sem antes aprender a essencia.

Muita gente aprende antes os orquestradores no qual é sensacional, mas quando da pau no ambiente o troubleshooting também é mais difícil de entender pois entender fica mais complicado.

Eu vou e volto na sua leitura de propósito para que você guarde então veja o comparativo da imagem de como funciona virtualização e contêiner.

Veja a diferença das camadas acima que em maquina virtual em resumo você tem um kernel para cada maquina virtual e você isola por maquina.

No conceito de docker você isola os apps por contêiner compartilhando o kernel.

E quais são as vantagens:

  • Padroniza ambientes de desenvolvimento, testes e produção.
  • melhora a utilização dos recursos fisicos
  • facilita a recuperação de dados, como versionamentos das aplicações.
  • faz isolamento das aplicações e configurações sem ficar mexendo constantemente.
  • além do uso em ambiente fisico e virtual, os ambientes de nuvem também são espetaculares para orquestração.

 

As desvantagens:

  • IO de disco é enorme então, use bons discos como SSD.
  • Se o host docker cai todos os contêineres nele caem também.
  • Dificulta os troubleshooting, já que adicionamos varias camadas de investigação.

O cara DEVOP ou DEV ou INFRA precisa ter total conhecimento da arquitetura do ambiente.

Resumindo:

Conteineres: São gerenciados por o docker engine a partir do linux LXC a partir da versão 1 que substituiu  o LXC pela Libcontainer (Open Container iniciative), veja em https://www.opencontainers.org/.

Engine: é o daemon que gerencia a construção e execução dos containers, faz o trabalho de criar o CHROOT e controlar os recursos de rede, cpu memoria e outros.

Veja esta materia: https://www.vivaolinux.com.br/dica/Fazendo-chroot-facilmente

Cliente: a engine expõe uma API onde, com um cliente consome o socket ou a api ele passa os comando para o daemon (docker engine).

Eu acredito que esta primeira parte vocês irão conseguir assimilar o conceito.

Irei tentar colocar semanalmente e as outras aulas será mais mão na massa.

Estarei postando em outros canais e fiquem ligados.

Como é publico pode ser compartilhado, mas com uma menção aos canais postados.

Acesse os sites que sitei acima e até a próxima.

 

 

2018 vem ai

Olá pessoal

2018 vem aí. 2017 foi intenso e prazeroso. Quero agradecer aos quase 2000 assíduos, os mais de 100Mil views e acessos, frequentadores dos grupos, blogs, fanpage, redes sociais, palestras, cursos e parceiros que disseminamos Microsoft Azure, Office 365 e Cloud Computing.

Sem vocês a disseminação, a passagem de conhecimento não aconteceria.

O conhecimento precisa ser passado.

Cloud Computing Brasil https://www.facebook.com/ccomputingbrasil/

Microsoft Brasil não oficial https://www.facebook.com/groups/microsoftbr/

Linux ABC https://www.facebook.com/groups/linuxabc/

Meu Perfil https://www.facebook.com/fabiosilvacloud/

Grupo Azure Brasil

https://www.facebook.com/groups/azurebrasil/

YouTube

https://www.youtube.com/channel/UCqxKrvBO23tA81PQiIlkP4Q

LinkedIn

https://www.linkedin.com/in/silvapfabio

Perfil MVP

https://mvp.microsoft.com/en-us/PublicProfile/5002105

Aos parceiros ChurropsOnDevops TIEspecialistas BlogUOL Diveo Fabio FOL Arqgenti

Ser MVP antes de tudo é ser comunidade e ajudar a disseminação do conhecimento.

F e l i z N a t a l e 2 0 1 8 P r o s p e r o

Palestra e curso Azure

Olá pessoal.

Ontem fizemos uma palestra sobre Cloud e Azure.

O vídeo da palestra disponível para assistir. Acesse o canal do YouTube da Tempo Real

Convido também ao curso Hands ON que irá acontecer dia 02 de Dezembro.

https://www.temporealeventos.com.br/curso-azure-presencial

Irá ter outra turma EAD ainda sem data.

https://www.temporealeventos.com.br/curso-azure-ead

Se tiver alguma dúvida pode entrar em contato comigo ou pelo próprio site da Tempo Real Eventos.

Contamos com vocês.

Obrigado

Blog do Welbert Roberto

♉ pesquizador.

SegInfo - Portal, Podcast e Evento sobre Segurança da Informação

Notícias, Artigos e Inovação em Tecnologia e Segurança da Informação

EighTwOne (821)

News, tips and info on Microsoft Exchange, Office 365, and PowerShell

Segurança da Informação

Segurança, Cloud computing e muito mais...

Fabian André Gehrke

SharePoint no dia-a-dia

Escotilha Livre

Um canal para lançar as sementes do conhecimento, promovendo o uso de soluções livres.

simple Ula

I want to be rich. Rich in love, rich in health, rich in laughter, rich in adventure and rich in knowledge. You?