Arquivo da categoria: AWS

Curso EAD de Azure e AWS

Pessoal

Ao longo de 2017 e 2018 fizemos pelo menos 25 turmas de AWS e Azure entre aulas presenciais e aulas ao vivo.

Todas com muita dedicação e agora estamos lançando para uma melhor comodidades EAD.

Aproveitamos as aulas gravadas e editamos tudo que foi melhor das aulas ao vivo.

Será uma melhor comodidade para quem não é de SP.

Os valores estão promocionais.

Além da aula o aluno terá suporte nas segundas-feiras para Azure e AWS as quartas comigo mesmo.

A Tempo Real eventos como sempre parceira e nos apoiando com qualidade.

Veja a primeira hora de Azure e AWS como cortesia.

Acesse o site:

https://www.temporealeventos.com.br/aws-ead/

https://www.temporealeventos.com.br/azure-ead/

Espero que gostem.

Abracos

Cloudberry Backup LAB com S3 AWS

Olá pessoal

Semana passada comentamos aqui sobre o Cloudberry backup com Microsoft Azure.

Irei mostrar a vocês como é o conector para S3.

É bem simples.

Veja todos passos como instalar aqui nesta matéria: https://fabiosilva.com.br/2019/07/09/cloudberry-backup-para-multicloud-lab-microsoft-azure/

Eu irei criar o bucket no S3.

Imagino que você já tenha uma conta no AWS. Se não tiver siga estes passos no próprio site da AWS https://aws.amazon.com/pt/free/activate-your-free-tier-account/.

Para criação do bucket no S3 é bem simples, iremos criar no botão “Criar Bucket”.

O backup você irá criar o nome do bucket a região que será armazenado o dado dentro do bucket. Simples assim.

Próximo passo é definição de chave, mas para este processo não precisará por enquanto, pois estamos definindo como é no software de backup Cloudberry.

Mantenha sem acesso ao publico.

Obviamente nós estamos criando um ambiente de laboratório e você irá definir se precisa de mais segurança ou outros tipos métodos de segurança para acessar a pasta.

Clique em criar bucket.

Bucket criado vamos para os passos seguintes para realizar a conexão com o Cloudberry.

Imagino que você tenha já visto os passos de como fazer a instalação do Cloudberry.

Abra o software e vamos no menu de criação para AWS.

clique no menu de local para CLOUD.

De o próximo passo para escolhemos o S3 da AWS.

Iremos escolher o S3 em “Add new Storage Account”.

Iremos escolher o Amazon S3, o Glacier é exatamente igual para realizar os procedimentos. Em um próximo tópico iremos falar só do Glacier.

Veja acima que para colocar esta chave é preciso ir no IAM serviço da AWS ele vai criar um acesso e gerar a chave de acesso ao seu ambiente do S3. Preencha a chave de acesso e preencha a chave secreta. Assim que você preencher tecnicamente o software esta se conectando em uma API do S3 em um endereço https da AWS, a chave irá realizar a autenticação e encontrará todos buckets criado em sua tenant. Veja que no menu ele já acha automaticamente o bucket que criei. Mesmo assim o software já tem poder de criar direto um bucket direto sem você precisar criar la no portal do AWS.

De o OK.

Veja que temos agora o S3 conectado para uso e temos o Azure da semana passada e podemos agora fazer backup multicloud.

Daqui para frente você irá criar seu plano de backup para realizar no S3 da AWS.

Pronto depois deste processo é o mesmo processo que fizemos no Azure. O link está aqui acima e siga os passos de la.

Pessoal, espero ter ajudado nesta matéria no AWS.

Até mais.

Amazon FSX – Seu FileServer na Nuvem

Olá pessoal

Hoje eu vou mostrar como montar seu servidor de arquivos na nuvem sem servidor. É seu servidor sem servidor com Amazon FSX. Ferramenta sensacional.

Mas Fábio eu não preciso de servidor para acessar o ambiente? Sim. É um serviço de plataforma baseada em instancia Windows.

Simples e totalmente gerenciado

Você não precisa mais se preocupar com a configuração e o provisionamento de servidores de arquivos e volumes de armazenamento, atualização de hardware, configuração de software ou execução de backups. Em minutos, você pode criar um sistema de arquivos totalmente gerenciado.

Compatibilidade nativa

Com sistemas de arquivos de terceiros totalmente gerenciados, você obtém compatibilidade nativa que suporta os recursos, desempenho e segurança do sistema de arquivos nos quais você confia hoje, sem necessidade de alterações em seus aplicativos.

Uma arquitetuta de ambiente em redes AWS

Uma arquitetuta de ambiente em VPN.

Integrações da AWS

O Amazon FSx integra os sistemas de arquivos de terceiros com serviços AWS nativos da nuvem, tornando esses sistemas de arquivos úteis para um conjunto ainda mais amplo de cargas de trabalho.

Para montar a plataforma é muito simples.

Coloque o nome do system name e defina o tamanho do volume que você irá usar.

O segundo passo é definir a rede, a zona e região que ele irá pertencer. Importante saber que por traz é uma instancia e totalmente gereciavel pela AWS.

Então você não se preocupa com a infraestrutura do ambiente.

O FSX exige que tenha um serviço de diretório para que faça as realizações de autenticação.

Crie o diretório.

O serviço de diretório tem 4 tipos de serviços, baseado em AD, Simple AD baseado em SAMBA, AD conector você pode integrar através de ADFS proxy o seu serviço e grupos de usuários do sérvio do AMAZON Cognito.

No caso estamos usando o serviço baseado no File Server Windows, então use o serviço baseado no AD.

OBS: O passo a passo do AD não está incluso aqui.

Como estamos fazendo um lab eu irei usar o serviço de tamanho pequeno, com dns fabiopereirasilva.local

Demora uns 25 minutos a criação do AD do Linux e mais ou menos 1 hora o AD do Windows, então tenha paciência.

Escolha o tipo de encriptação que será usado, neste caso o padrão default.

A manutenção é opcional, mas não arrisque, já mantenha uma política de backup já ativa para não ter problemas posteriores.

Verifiquei se esta tudo certo e crie o servidor.

Agora só aguardar a criação para dar sequência.

Pronto ambiente criado.

Vamos agora criar um diretório.

No serviço de diretório vamos criar uma pasta em Cloud Directory.

Criei a pasta teste123.

Para usar o serviço de fora da rede da AWS é preciso se conectar através de VPN.

Neste laboratório use uma maquina dentro da rede da AWS.

O método ai é igual ao tradicional.

net use H: \\fs-03d5694ee45130c14.fabiosilvapereira.local\teste123

Um exemplo de mapeamento via MSDOS.

Via meu computador

Mais informações a fonte é https://docs.aws.amazon.com/fsx/latest/WindowsGuide/migrate-to-fsx.html

Espero que com este post você seja capaz de usar o Serviço FSX da AWS.

Até a próxima.

Comparativo de serviços de CLOUD (AZURE, AWS e GCP)

Olá pessoal

Primeiro post do ano, mas com algumas atualizações e comparativos de serviços de cloud.

É dificil avaliar os serviços e comparar das clouds publicas das 3 principais clouds do mercado AWS, Azure e Google cloud platform.

Muita gente compara, mas são clouds com conceitos bem diferentes uma da outra e a forma de trabalhar também.

Eu fiz uma atualização destes serviços e fiz um infografico para analisar e desfrutar dos serviços parecidos ou concorrentes.

Espero que gostem e segue abaixo:

Quem quiser baixar em PDF comparativo-azure-gcp-aws

Leia o resto deste post

Programa MVP e MVP Reconnect

mvp

reconnect

Quando comecei a postar na internet no Blog do WordPress, redes sociais e outros meios eletrônicos, foi uma maneira de guardar todos projetos que já trabalhei diretamente e indiretamente.
Foi tudo de maneira sem compromisso nenhum, mas todas as vezes que iniciava um projeto de alguma maneira eu tinha um histórico genérico, rico e com detalhes.
Alias a gente não guarda nada na cabeça, tem que registrar em algum lugar.
Trabalhando sempre com linux vi uma oportunidade de aprender Microsoft e também melhorar a carreira pois o mercado de TI muda muito com o tempo.

O blog começou a bombar, aprendi, comecei a dominar e ainda domino varias ferramentas, Windows Server, Exchange, SharePoint, System Center dentre outras, depois veio nuvem AWS, BPOS que se tornou Office 365, e agora esta uma gigante suite impressionante, e veio o Azure no qual me identifiquei na hora.
Nesta época de Office 365 e inicio do Azure comecei a utilizar o forum technet e me interessar e ajudar nas respostas na comunidade e também participar de vários eventos. Afinal era o que pagava meu salario e me interessava muito SaaS e Cloud. Comecei a me interessar pelo programa MVP em 2012 e fui me inscrevendo mesmo não sabendo realmente o que o programa era.

Em resumo o programa é destacar profissionais com conhecimento técnico elevado, evangelizar a ferramenta ou serviço que você domina e ajudar a comunidade técnica. Em outro olhar mais detalhista é também divulgar comercialmente ferramentas e serviços da Microsoft pois você está a frente de uma gigante do mercado de tecnologia queira ou não vendendo seu peixe indiretamente ou não, por uma parceira, com a sua empresa ou em um grande player de mercado.

Entrar no programa MVP demorou pelo fato de tecnicamente estar crescendo naturalmente, mas também foi tão legal entrar pois estava no auge da maturidade profissional e técnica. Repetindo, veio naturalmente.

Continuei com meus posts, agreguei valor com webcasts e apresentações mais contundentes pois tinha informações quentes da fonte (Microsoft) isso ajuda. Ainda mais quando o interesse investigativo meu sempre foi ao nível hard.
Cresci profissionalmente, virei professor de CLOUD e depois de CLOUD AWS. Coisa que nunca pensei em ser. Me deu prazer.

Ser MVP também te traz algumas responsabilidades, de atender o programa e estar bem ativo, atender a comunidade na medida do possível. Isso é um requisito que no meu conceito não pode se perder. Como eu disse tudo que fiz na vida foi tudo com busca em em um equilíbrio. Dependendo do seu crescimento profissional, pessoal isso precisa pesar na balança pois o tempo é primordial.

O programa teve algumas mudanças, fiquei 3 anos no programa e agora o ciclo de MVP se encerra. Mas a Microsoft devido o numero de MVPs ser grande criou um outro programa que é o MVP Reconnect, que é uma forma de ainda agregar valor e continuar com os MVPS no radar.

Outro ponto é que o programa você pode retornar a titular do programa, onde eu desconhecia e isso é relevante.

Continuarei a realizar meus posts, webcasts e apresentações como nunca parei, desde antes de ser MVP e agora como MVP Reconnect. Nem se não fosse continuaria.

O mais legal do programa não é o programa é o network que você constrói, as amizades, os trabalhos que são gerados, as aulas que são dadas, os eventos que são realizados e no fim deles as risadas dadas, o quanto que você evoluiu na carreira.

Não estou chateado, pelo contrario estou feliz por que impactei “gigantemente”, o numero de views, acessos impressionantes, que nunca pensaria ou imaginaria que chegaria.

As organizações estão mudando muito, as profissões estão mudando muito, os ciclos se encerram e novos vem para você nunca ficar na mesmice.

Vou ao MVP Reconnect com muito prazer e sem vergonha.

A comunidade que atendo sempre estaremos juntos

Até mais.

Como criar uma conta Amazon AWS?

1. Acesse o site: https://aws.amazon.com/pt/ e clique no botão “Cadastre-se”.



2. Forneça o e-mail que deseja utilizar em sua conta AWS e marque a opção “Eu sou um novo usuário”.


3. Clique no botão “Faça login usando nosso servidor seguro”.



4. Preencha o formulário com os valores solicitados, onde:

a) “Meu nome é”: seu nome completo

b) “Meu endereço de e-mail é”: seu e-mail

c) “Digite novamente”: é a confirmação do endereço de e-mail

d) “Digite uma senha”: é a sua senha de segurança

e) “Digite novamente”: é a confirmação da senha de segurança



5. Clique no botão “Criar conta”.


6. Selecione o tipo de conta (recomenda-se utilizar Conta Pessoal).


7. Preencha o formulário com os valores solicitados:

a) “Nome completo”

b) “País”

c) “Endereço”

d) Campo em branco para fornecimento de Complemento ao Endereço

e) “Cidade”

f) “Estado/província ou região”

g) “Código postal” é o CEP

h) “Número de telefone”


8. Digite o código de verificação de segurança.


9. Caso concorde com os termos descritos em “Contrato de Cliente da AWS”, aceite o Acordo do Cliente AWS, marcando a caixa em questão e seguindo adiante clicando no botão “Criar conta e continuar”.




10. Como o serviço será cobrado caso seu uso exceda o limite gratuito, você deve fornecer um cartão de crédito internacional válido para a quitação desses valores. No primeiro campo, informe o número do cartão e sua data de validade.


11. No segundo campo, forneça o Nome do Proprietário do cartão, exatamente como está impresso.


12. Selecione “Usar meu endereço de contato” para que notificações comerciais da Amazon sejam entregues no endereço cadastrado anteriormente.


13. Clique no botão “Continuar” para avançar para a verificação de identidade.




14. Na verificação de identidade, você receberá uma ligação automática no número cadastrado solicitando o PIN apresentado na tela. Assim que você preencher o formulário com o código do país e o número do telefone, um código será apresentado na tela, e deve ser digitado em seu celular durante a ligação automática. Se o procedimento for executado corretamente, seu celular estará confirmado como válido. Os procedimentos nesse passo são os seguintes:

a) Confirme se o número de telefone está correto, e clique no botão “Ligar para mim agora”.


b) Ao receber a ligação, siga as instruções, digitando em seu celular o número apresentado no campo PIN.



c) Se o procedimento for realizado com sucesso, a tela a seguir será apresentada, e você deverá clicar no botão “Prosseguir para seleção do seu Plano de suporte”.




15. Selecione um plano de suporte, onde o plano Básico é gratuito. Na tabela abaixo da tela de seleção dos planos mais detalhes sobre cada plano e suas especificações podem ser encontrados. Após selecionar o plano desejado, clique no botão “Continue”.




16. Pronto! Sua conta foi criada, e basta aguardar o processo de ativação da sua conta, que será confirmada através de e-mail.

Quadrante 2017 vs 2018 Nuvem

0 As corporações estão mudando a mentalidade sobre Cloud.

Esperam confiabilidade, escala, capacidade de manutenção e melhor suporte, não estão adotando a nuvem pública para recursos como autoatendimento, pagamento por uso, automação de acordo com o relatório do Gartner.

CenturyLink, Fujitsu, Interoute, Joyent, Rackspace, NTT Communications, Skytap e Virtustream foram retirados. Todos esses fornecedores falharam em fornecer os recursos técnicos relevantes para o Gartner, que são baseados no suporte a cargas de trabalho de produção em larga escala e de missão crítica, sejam corporativas ou nativas em nuvem.

O Amazon AWS é um líder indiscutível da nuvem pública. Sua plataforma de nuvem é madura, comprovada e confiável, tornando-se uma opção segura para empresas. Os clientes devem estar cientes do fato de que é fácil começar a usar o AWS, mas otimizá-lo para obter desempenho e o custo está se tornando cada vez mais complexo.

O forte comprometimento da Azure com os serviços em nuvem da Microsoft foi recompensado com significativo sucesso de mercado, o que a torna uma alternativa viável à AWS. A adoção do Linux e das tecnologias de código aberto da Microsoft, combinadas com o software do Azure Stack, está atraindo clientes corporativos para o Azure.

O Google Cloud finalmente chegou ao cobiçado quadrante de liderança. No entanto, tem que fechar a lacuna com os dois principais concorrentes. O fator de diferenciação do Google está em seus profundos investimentos em análise e ML

O Alibaba Cloud, antes confinado ao mercado da China, agora se qualifica como provedor global de nuvem de hiperescala, com seus centros de dados de Cingapura e Índia.

Mais informações acesse o site do gartner https://www.gartner.com/en

Valeu pessoal

Bloqueando o tráfego de um único IP na AWS

Então aqui está um tutorial rápido para bloqueio de IPS por ACL no AWS.

  1. Abra o painel de controle do VPC


2. Abra a exibição “Network ACLs”


3. Abra o editor ACL

  1. Selecione a sub-rede à qual suas instâncias EC2 ou balanceadores de carga estão conectados.
  2. Clique em “Regras de Entrada”
  3. Clique em “Editar”


4. Adicionar uma regra para bloquear o tráfego

Agora você verá o editor ACL. Na última linha, você pode adicionar uma nova regra.


Veja como você deve preencher os campos:

Regra # Use qualquer número inferior a 100, que é o número da regra de aceitar-tudo padrão. Isso é importante porque as regras são avaliadas em ordem, e sua regra precisa ser apresentada antes do padrão.
Tipo Selecione “Todo o tráfego”
Protocolo Bloqueado para “ALL”
Fonte CIDR que deseja bloquear. Para combinar um único endereço IP, insira-o aqui e adicione /32 . Por exemplo, 200.200.200.200/32
Permitem negar Selecione “DENY”

Agora, clique em Salvar e você deve ver a tabela de regras atualizadas.

Facil né? Espero que tenha ajudado

Profissões em transformação

 

Olá pessoal.

Quando comecei a trabalhar em arquitetura tive muito contato com a área de desenvolvimento, programação e novas tecnologias.

Com a transformação digital na boca de cada pessoa de TI perpetuando e ecoando a até ficar chato de tanto ouvir umas das transformações que vi.

Antigamente chamavam de consultor, algumas empresas ainda chamam. Outras chamam de pré-vendas. Mas o que mas tem se falado. Veja abaixo:

Arquiteto: Um arquiteto de solução, de cloud ou de software ou de infraestrutura é o cara que necessariamente esteve na linha de frente de um desenvolvimento de software ou aruando em infraestrutura por muito tempo e naturalmente evoluiu na area, atua primariamente na construção de solucões baseadas nas necessidades do negócio, fazendo uso dos serviços e recursos tecnológicos já existentes na empresa. Outro objetivo é o de alinhar novas solucões aos princípios arquiteturais já definidos, respeitando os padrões e integrações da empresa. Ele é o elo entre a área de negócios e a área de implantação e projetos atuando no desenho do projeto. Em alguns casos ele atua em pocs (provas de conceitos) e atua captando melhorias contínuas.

O velho e bom cara de ITPro tem se transformado.

Devops: É o novo e transformado ITPro. Além dele melhorar a produtividade automatizando ambientes tradicionais de virtualização ele é o cara que coda é desenvolve código para scripts e orquestração para subir ou realizar deploys de infra como serviço é plataforma como servico. Seja ela em AWS ou Azure ou Openstack ou Vmware ou HyperV ou Linux. Desde que orquestre, use serviços que automatize o ambiente que ele esteja proposto a fazer. Em resumo ele coda em infra.

DesignUX: User eXperience. É o cara que vai realizar os testes de experiência de um usuário. Exemplo: Ele vai pegar um celular e testar o App que foi desenvolvido e sentir o que o usuário sente e ver se ficou bom ou ruim. É um papel preponderante de o App vai ter sucesso ou não. Veja como é fácil de usar Whatsapp e Facebook. Um DesignUX realmente fez o teste antes de sair a atualização para a massa.

Developer Frontend: É o cara responsável pela interfaceweb. Ele projeta e constroi e otimiza toda frente de desenvolvimento. Em resumo HTML, Javascript, CSS, webstandard, aplicação de SEO (Search OFF Engine). Obviamente este cara tem que manjar de programação e ele tem facilidade em desenvolver com um viés de design.

Developer backend: É o cara por traz das “cameras”, ele que faz as ligações do que o Frontend projetou. Interage o que o é coletado recebendo os dados programando regras de negócios, api realizando scripts e códigos um pouco mais complexos com conexões para banco de dados e ligações tambem com outros sistemas e webservices.

Fullstack developer: Bem, este é o cara, ele trata tanto do frontend como também o que o backend faz. É o cara mais completo.

Hoje em ambiente Ágil tem se dividido muito as tarefas de desenvolvimento por isso que as tarefas de desenvolvedores ficaram mais segmentadas.

Empresas maiores estão nesta mudança. É também tem se dividido e segmentado justamente pela agilidade na entrega.

Uma pitada de segurança neste meio tem o tester ou robôs que analisam o codigo que o front e o back desenvolveram e aplicam na camada para achar vulnerabilidades para que os mesmos possam melhorar e entregar os projetos com seguranca.

As corporações contratam empresas pentesters ou sistemas baseados em OWASP.

Um dos meus favoritos é da Qualys. https://www.qualys.com/

Analista de Segurança da Informação: Este irei resumir bastante mas muito é uma peça chave. Ele analisa os riscos dentro de um compliance, garante a confidencialidade, a integridade e a disponibilidade dos dados da empresa.

Dentro de segurança da informação temos a área ativa onde a atuação pelo nome já se fala por si mesma, na atuação de firewalls, pentest, vulnerabilidades e atuação na segurança dos dados.

A segurança passiva é mais nos compliances da corporação garantindo a políticas, plano de continuidade e toda documento criada seja cumprida dentre os funcionários e fornecedores respeitem.

Claro que tudo que mencionei pode mudar daqui 3 ou 4 anos.

Os níveis de conhecimento garantem que o RH segmente salarios e beneficios de dentro das políticas de cargos Junior, pleno e sênior de cada corporação.

Espero que tenha esclarecido em minhas palavras as profissões em transformação.

Até mais pessoal

Blockchain! O que é? Já é o presente?

blockchain

O blockchain deve passar a atrair mais empresas em 2018. Principalmente por serem redes fechadas, em que a gestão da identidade digital é feita de forma mais segura. As provedoras das redes para diferentes setores precisarão hospedar seus dados em múltiplos locais, de forma distribuída, para garantir baixa latência. Este tipo de ambiente é encontrado dentro de ecossistemas como Datacenters e Nuvens com AZURE, AWS e Google. Cuja plataforma global pode dar suporte a redes distribuídas por todo o mundo.

O Azure oferece o serviço como AZURE BLOCKCHAIN SERVICES.
https://azuremarketplace.microsoft.com/pt-br/marketplace/apps/microsoft-azure-blockchain.azure-blockchain-service?tab=Overview

A AWS oferece através de parceiros.
https://aws.amazon.com/pt/partners/blockchain/

O que afinal é o Blockchain?

Blockchain, em sua essência, é simplesmente uma nova tecnologia de rede de distribuição de informações, com algumas propriedades especiais, como:

  1. Sem um único administrador, baseia-se em um modelo de confiança compartilhada entre usuários, totalmente descentralizado.
  2. Os registros não são atualizáveis, assim não há como alterar transações realizadas. Ele permite apenas inclusões.
  3. Tem um único esquema lógico (virtual) global que é armazenado por meio de várias cópias físicas distribuídas.

Redes públicas ou privadas?

A principal diferença entre o blockchain público e privado é o mecanismo de consenso. No público, os usuários não se conhecem, portanto, o nível de confiança é baixo, necessitando uma sobrecarga computacional maior. Assim, a verificação ou validação de cada transação é bastante alta e demorada.

Veja a arquitetura basica

blockchain_arquitetura_basica_de_entendimento

Já na conexão privada, a confiança é maior, pois é baseada na permissão de acesso. É possível fazer uso de algoritmos compartilhados mais simples e rápidos. Como resultado, em vez de algumas transações por segundo, é possível fazer milhares delas.

Além disso, em blockchains privados, os registros das transações podem ser criptografados e estão disponíveis apenas para as partes autorizadas, o que, por sua vez, ajuda a satisfazer os requisitos de privacidade dos participantes.

Como a tecnologia está sendo usada hoje?

O uso do blockchain vem sendo feito basicamente das seguintes formas:

  1. Como meios de distribuição de criptomoedas, como Bitcoin.
  2. Como uma plataforma (autorizada) para trazer benefícios de custo e eficiência nos processos de negócios das empresas.
  3. Como ferramenta para garantir integridade e segurança de dados. 

Quais os benefícios para os usuários?

Os usuários estão estudando seriamente a tecnologia blockchain em verticais como supply chain, trading e mercado financeiro, governo e no segmento de health care. Eis a razão:

  • Manutenção de registros inalteráveis: agências governamentais e empresas estão interessadas em manter o controle de dados, com a garantia de não serem alterados.
  • Utilização da ferramenta para denuncia de notícias falsas que circulam pela internet.
  • E- Voting: na Estônia, por exemplo, a tecnologia blockchain já é utilizada pelo governo para computar votos eletrônicos.
  • Desenvolvimento de um marketplace descentralizado, alimentado por um livro-caixa distribuído, escalável e em tempo real.
  • A adoção de criptomoedas está ganhando impulso à medida que mais empresas de grande porte passaram a aceitar criptomoedas. Uma das vantagens é a possibilidade de operar em nível de microcentavo, dispensando arredondamentos. No entanto, as redes de blockchain públicas apresentam problemas, como invasões, por exemplo.
  • Eliminação do intermediário: hoje, as transações financeiras que cruzam as fronteiras entre países passam por intermediários que acrescentam custos e retardam a circulação. O blockchain elimina intermediários, com transações mais rápidas, seguras e menos dispendiosas.

Então qual será o futuro?

“Varias empreas acompanham de perto as tecnologias blockchain e seu funcionamento para que seus clientes possam otimizar sua utilização dentro das operações de TI e modelos de negócios”. Inicialmente, o uso do blockchain pelas empresas tem acontecido com o intuito de completar os sistemas de TI existentes, sem, no entanto, adotá-lo em seus principais processos corporativos.

O CSA (Cloud Solution Architecth) Guru do Blockchain em Azure Rudnei Oliveira deu seu depoimento na integra.

Perfil do Rudney Oliveira https://www.linkedin.com/in/rudnei-r-oliveira-69443523/

Blockchain surgiu como tecnologia de base para cryptomoeda e logo perceberam que ela poderia ser extremamente poderosa para controle e fluxos de processos e aprovações, também chamado de “smart contracts”, pois remove a centralização do poder e descentraliza as operações. Isso tudo é fantastico, mas o mercado corporativo ainda está aprendendo a aplicar a tecnologia e tirar melhor proveito dela. No Brasil já há grandes Bancos testando a tecnologia e poucas empresas tentando colocá-la em prática nos negócios.

Minha opinião pessoal

Eu acredito que se fosse aplicados Blockchain como exemplo em cartórios, com validações de documentos, com a digitalização seria primordial e traria uma agilidade maior e integração com órgãos públicos como DETRAN.

A adoção do blockchain não envolve apenas integração da tecnologia à uma infraestrutura de TI, mas trata-se de um negócio que também está mudando processos internos. É preciso que a organização perceba o que a tecnologia pode fazer pelo seu negócio e o potencial do valor agregado. “Isso ainda pode consumir vários anos em um processo de tentativa e erro”.

É certo que, em breve futuro, as empresas estarão envolvidas em múltiplas redes de blockchain (por exemplo, supply chain, finanças etc.) e vão querer que seus negócios estejam localizados próximos de seus parceiros ou em Cloud Publica que dará  facilidade. Neste sentido, a alta densidade de rede e cloud da plataforma e marketplace serão importantes ferramentas para a adoção do blockchain, tanto para fornecedores, quanto para empresas.   Principalmente em um cenário em que empresas passem a atuar com diferentes modelos contratuais, mas queiram garantir a legitimidade do acordo entre ambas partes.

Fontes: Rudnei Oliveira (Microsoft), Laila Almeida (Impressi PNI).

Simularemos em Breve Blockchain no Azure.

Até mais pessoal

 

 

 

Project THOR

Technical and Human infrastructure for Open Research

randieri.com

Il blog di Cristian Randieri

TEC OFFICE PRODUTIVO

Tec Office Produtivo é um grupo de treinamentos, dicas e tutorias de informática sobre aplicativos utilizados em escritórios.

Gold Recipes

Gols Recipes

Escadas Especiais

Projetos, fabricação e instalação de escadas em geral

Jaqueline Ramos

Devops & Cloud

Blog do Douglas Romão

MVP Office Apps and Services | Modern Workplace and Business Applications Expert